Preocupados com a situação do Colégio Estadual Aristiliano Ramos - que no final do ano passado foi fechado às pressas "pelas autoridades"  porque poderia cair a qualquer momento - bem no final do ano letivo, gerando um grande transtorno para alunos, professores e familiares dos que lá estudavam, alguns vereadores de Lages resolveram fazer uma audiência pública, no início da noite de ontem (16/03),  para debater alternativas a respeito. Afinal, o povo quer saber o que será feito com o tal colégio - Será fechado? Demolido (como muitos defende na surdina)? Reformado e transformado em centro cultural? Ou deixado às moscas e às traças - como está acontecendo, com quem fechou "lavando as mãos" para a situação? Pois de todas as "autoridades" convidadas, pasmem, NINGUÉM COMPARECEU. Mas nem uma alma viva. Alguns deles, inclusive, nem mandaram justificativa. E agora, José? Quem vai assumir o "mico"?  A sociedade não vai deixar demolirem o colégio tão facilmente. E cabe a quem quer fazê-lo, comparecer aos eventos a respeito para defender suas posições. Aliás, em Lages temos o Aristiliano Ramos fechado, o Colégio Rosa, o Mercado Público, o antigo prédio da Santur (que ficou apenas no "esqueleto"), o casarão antigo da Nereu Ramos, que acabou  caindo.... E a Prefeitura (que de manhã agora está sempre fechada).... o que mais falta acontecer? Com a palavra, "as autoridades fujonas".... Loreno Siega - Revista Visão