A Juíza Dra. Patrícia Pereira de Sant´Anna, Diretora do Foro Trabalhista de Lages, participou na manhã dehoje (17/10), na ACIL, da reunião mensal do Fórum das Entidades Empresariais de Lages. Em pauta, a tramitação do processo de criação da 3ª. Vara Trabalhista na comarca de Lages. Segundo a juíza, o pedido já tramita nas esferas competentes (em Brasília e Florianópolis) há mais de dois anos. E é bem possível que a criação da 3ª. Vara na Justiça do Trabalho de Lages seja autorizada já a partir do 1º. semestre do próximo ano.

\"\"

Na reunião, o presidente da ACIL, Luiz Spuldaro, além de outros presidentes de sindicatos patronais de Lages demonstraram preocupação com o assunto. Eles temem que com a criação de uma 3ª. vara trabalhista na cidade possa haver um aumento nas demandas, que já não são pequenas, o que acarretaria prejuízos ainda maiores para os empregadores. “Já corre a informação de que somos a cidade campeã em ações trabalhistas em Santa Catarina. Isso, inclusive, afugenta muitos investimentos uma vez que os empresários de fora não querem se arriscar a vir para uma cidade onde a Justiça do Trabalho seja mais um empecilho para seus negócios”, explicou Luiz Spuldaro.

\"NÃO É VERDADE\", DIZ JUÍZA

Dra. Patrícia tranqüilizou os representantes dos sindicatos patronais de Lages. Ela disse que com mais uma vara trabalhista haveria condições de cada juiz analisar com maior tranqüilidade e tempo os processos. E assim julgar com maior cuidado e inclusive de forma mais rápida as ações. “Além disso, é pura lenda que tenhamos mais  processos trabalhistas do que em outras cidades com população equivalente. Inclusive temos cidades menores, como Xanxerê e Brusque, onde há mais ações trabalhistas do que em Lages proporcionalmente à população”, explicou a juíza. “Com mais uma vara, inclusive, teremos dois novos juízes na cidade e pelo menos 15 novos servidores, todos com um nível salarial muito bom, o que contribuiria também com a cidade”, explicou.

IRREVERSÍVEL

A juíza explicou ainda aos representantes patronais que o processo de criação de uma nova vara trabalhista em Lages é praticamente irreversível. “Esse trâmite é muito demorado. E a criação de novas varas depende do número de ações que tramitam em cada vara. Já superamos esse limite para cada vara faz um bom tempo. Temos inclusive o apoio da OAB local e de várias outras entidades e organizações da cidade”, complementou. Ela recomendou aos empresários que muitas demandas trabalhistas acabam acontecendo por descuido, desleixo ou mesmo falta de conhecimento e atenção dos empresários. “70% das demandas acontecem por falta de documentação dos empresários nas questões legais. E o restante deve-se à ação dos advogados, que em Lages são muito bem preparados na questão trabalhista. Agir preventivamente, tratando bem os colaboradores na hora da demissão e durante a sua estada enquanto  nas empresas é a melhor maneira de evitar as ações”, explicou.

Loreno Siega – Assessoria de Imprensa da ACIL