A pedido do vereador Marcius Machado (PPS), mediante o requerimento 107/12, os secretários de Obras, Arnaldo Moraes, e o de Planejamento, Flaubert Zanetti, compareceram no Legislativo para prestarem esclarecimentos sobre a situação da rua Cirilo Vieira Ramos. Os moradores também participaram da sessão que ocorreu nesta segunda-feira (22).

O proponente argumentou que a obra foi iniciada antes das eleições, mas, inexplicavelmente, encontra-se parada após o pleito eleitoral. “Fizemos uma audiência pública sobre o caso, e foi prometido que a obra seria licitada e concluída. Nos entristece ver que as máquinas foram tiradas de lá”, destaca. Marcius diz querer as explicações devidas. “A comunidade não ter os seus direitos sonegados”.

A ordem de serviço foi assinada e entrega à CCL, empresa contratada para executar a obra, em agosto deste ano. O valor está licitado em R$ 1,159 milhão. “Iniciaram as obras, mas após o 7 de outubro sumiu o maquinário, levaram os tubos e a comunidade mais uma vez ficou a ver navios”, diz o legislador.

O secretário Arnaldo esclarece que chamou a atenção da empresa após a retirada dos tubos. Segundo ele, a pausa dos trabalhos se deu por conta do mal tempo. No dia 17 de outubro, depois de quatro dias de paralização das obras, a secretaria de Obras tomou providencias. “A nossa fiscalização continua atuando. Fizemos um ofício notificando a CCL para que efetivasse a retomada dos serviços”, relata.

Se, com a melhora do tempo, a empresa não retornar com as atividades na Cirilo Vieira Ramos o executivo terá que penalizar a empresa. “Acho que isso não chegará a acontecer”, afirma Arnaldo. A CCL tem 12 meses para concluir a pavimentação da rua.

 

Éverton Gregório - Assess. de Imprensa da Câmara de Lages