Melhorar a qualidade de vida das pessoas e diminuir os impactos ambientais. Estes são os principais objetivos do Projeto “Semear Plantas Nativas” que prevê também a restauração da biodiversidade catarinense. A proposta se baseia na implantação de viveiros de mudas de espécies nativas dentro de unidades penitenciárias utilizando os próprios apenados para desempenhar a atividade.

O professor Volmir Carlos Oliveira, instrutor do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) explica que é preciso agregar valor à terra e também pensar nas próximas gerações. “Pinus e eucalipto são importante comercialmente lógico, mas as nativas do tipo imbuia, canela, cedro, entre outras, não podem simplesmente desaparecer e temos que ter consciência disto”, argumenta.

Os cursos começaram em novembro de 2012 na unidade de Palhoça e devem ser aplicados ao longo de 2013 em todas as unidades prisionais do estado. “O SENAR fornece o material didático, sementes, kits de nutrientes entre outros materiais, além de realizar o acompanhamento técnico do projeto”, explica a supervisora do SENAR, Bruna Sedrez.

O projeto é realizado pelo governo de Santa Catarina, através da Secretaria de Estado de Justiça e Cidadania em parceria com o SENAR. A Secretaria de Planejamento do Governo (SPG) e a Secretaria de Desenvolvimento Regional de Curitibanos acompanham e dão suporte às atividades.