“A situação é pior do que se imagina. Uma empresa que oferece em torno de 600 empregos não pode continuar passando por isso. A solução tem que sair e já”. O desabafo do prefeito Elizeu Mattos foi feito logo após a visita realizada na manhã desta quinta-feira (7) à empresa Vossko. Acompanhado dos secretários de Desenvolvimento Econômico, Luís Carlo Pinheiro, e de Obras, Joel Netto Momm, ele ouviu depoimentos de funcionários preocupados com a possibilidade de perderem seus empregos por conta da possível queda de produção da unidade fabril.

Há mais de um mês a Vossko teve o seu acesso direto à BR-116 fechado pela Auto Pista Planalto Sul, concessionária da rodovia, e agora é correr contra o tempo para que Lages dê segurança a esta grande geradora de empregos. “Trata-se de um problema que se arrasta há quatro anos e agora é resolver ou perder futuros investimentos da Vossko. Optamos por resolver e não vamos descansar enquanto isso não acontecer”, disse Elizeu.

Ele foi informado que o projeto para a construção da marginal está pronto e aprovado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Denit), mas necessita da autorização da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para que a obra possa ser licitada. Uma reunião está agendada para esta sexta (8) às 14h no gabinete do prefeito onde estarão focados no assunto, além de Elizeu, os secretários afins e o diretor da empresa, Joachim Gerecht.

Dados estatísticos apontam que desde a instalação da Vossko em Lages, há 10 anos, nenhum acidente foi registrado no trevo de acesso à empresa. Com o fechamento, os caminhões e funcionários percorrem um caminho sinuoso, cheio de curvas, buracos e lama provocando incidentes como o capotamento de um dos caminhões, carregado, deixando os trabalhadores por quase uma manhã toda sem produzir. “Já dá para calcular o prejuízo”, ressaltou o gerente de produção, Osmar Lehmann Schmidt.

Assessoria de Comunicação Social da PML - Foto: Divulgação Vossko