A Câmara de Vereadores realizou uma sessão especial que debateu os investimentos do Governo do Estado em Lages e na região serrana, bem como as iniciativas que estão sendo desenvolvidas e aquelas que serão encampadas pela administração municipal.

Investimentos do Estado na região

Saúde

Para esta área, o investimento gira em torno de R$ 80 milhões, aplicados em projetos como a Policlínica Municipal (já entregue), a ampliação do Hospital Tereza Ramos (com a construção no terreno do antigo Vermelhão), a efetivação do serviço de radioterapia (no próximo mês deve receber uma licença técnica para o funcionamento), a edificação da cozinha do HTR, repasses mensais para o serviço de emergência do Hospital Nossa Senhora dos Prazeres e reformas de postos de saúde, entre outros. Dois tomógrafos também foram adquiridos e dentro de 30 a 60 dias estarão à disposição nos hospitais de Lages.

Educação

Até o início de 2014, o montante de R$ 36 mi será investido na reforma de escolas como Cora Batalha, Maria Quitéria e Zulmira da Silva, entre outras, que já estão concluídas ou em um estágio final de obras. Projetos e investimentos estão sendo liberados para educandários como o Colégio Industrial e Flodoardo Cabral. Sete ginásios de esportes também estão em construção nas escolas. Investimentos no campus Lages da Universidade do Estado de Santa Catarina (CAV/Udesc) são as iniciativas no ensino superior.

Agricultura

Para o reparo nas estradas do interior serão disponibilizados às prefeituras da região R$ 30 mi, sendo metade para Lages. O desenvolvimento na pecuária de corte e em diversos projetos via Epagri também estão entre os benefícios da área, bem como os R$ 15 mi concedidos através de programas de empréstimo a juro zero para o pequeno produtor (com faturamento anual de até R$ 50 mil) como forma de manter o homem no campo.

Bem estar social, patrimônio histórico e turismo

A construção do Centro Dia em Lages, para uma maior atenção aos idosos, está na ordem do dia do Governo do Estado, sendo que R$ 600 mil serão liberados para a obra (ainda sem local definido). A obra de maior vulto (R$ 6 mi) nas áreas do patrimônio histórico e turismo é a revitalização do antigo Colégio Rosa, previsto para ficar pronto entre um e dois anos. Vários eventos como a Festa do Pinhão, a Mercoleite, Expolages, receberam em torno de R$ 3 mi.

Desenvolvimento econômico e infraestrutura

Para a área de desenvolvimento econômico serão R$ 29 mi, sendo 20 destes como incentivos fiscais para a instalação e a solidificação de empresas na região, entre as quais, a Sinotruk. R$ 5 mi serão destinados ao Órion Parque (em 30 ou 60 dias deve sair a licitação da obra).

Nos aeroportos da região foram investidos R$ 11 mi. R$ 4 mi foram aplicados no Acesso Sul e outros R$ 3 mi em outras vias. Para as SC’s da região, a previsão de investimentos é de R$ 240 mi. Mas o secretário de Desenvolvimento Regional, Jurandi Agostini ressalta que é necessário o envio de mais projetos por parte das Prefeituras como forma de angariar recursos do Estado e do Governo Federal.

Na energia elétrica, o montante aplicado pela Celesc na região é de 18 mi. Para o secretário, este é um investimento fundamental para o desenvolvimento econômico tendo em vista a necessidade sempre latente de energia para a instalação de empresas de grande porte.

Município também apresenta ações

 

Incentivos ao empreendimento

O projeto Empreender Lages, vinculado à Secretaria, concede incentivos fiscais as micros e pequenas empresas (com até R$ 60 mil anuais de faturamento). Outro benefício ao empreendedor é a possibilidade de, no 1º ano da empresa, ter a contabilidade paga pela Prefeitura, através do Centro de Atendimento ao Pequeno Empreendedor (Ceape), órgão que atua integrado ao Sebrae, a AMPE e o Sindicont. Estes órgãos também oferecem cursos que preparam este empresário para as demandas que o mercado exige.

Banco do Emprego

Ex-vereador da Câmara de Lages, Luiz Carlos Pinheiro falou ainda sobre o Banco do Emprego, disponibilizado pela Secretaria. Este funciona como uma ligação entre as empresas e as pessoas que procuram por oportunidades. O índice de empregabilidade varia mensalmente, mas a média, segundo o secretário, é a destinação de 30% das pessoas que buscam o serviço. “Este mecanismo vai se expandir muito mais, pois estamos ampliando o número de empresas parceiras.”

Também está sendo desenvolvida uma parceria com a Uniplac para que a pessoa cadastrada no Banco de Emprego possa se preparar melhor no sentido comportamental através de uma capacitação que será fornecida pelo curso de Psicologia.

Qualificação profissional

A qualificação profissional no município também se dá por programas como o Projovem Trabalhador, o Projovem Urbano, o Plansec e o Pronatec, cada um com especificidades próprias. Diversos cursos são oferecidos gratuitamente para que o mercado de trabalho tenha mão-de-obra especializada em várias áreas de atuação.

Parque Órion

Luiz Carlos Pinheiro revelou que o projeto para o Parque Órion precisou ser refeito no início deste ano. A obra do edifício central, inicialmente orçada em R$ 9.8 mi, estava muito acima dos recursos disponíveis pela Prefeitura. Com o remodelamento feito junto com a empresa Prosul, o orçamento desta obra ficou em R$ 6.6 mi. “O prefeito Elizeu dá deu a ordem para que seja feita a licitação, e o edital será lançado nos próximos dias.”

A Secretaria de Planejamento já trabalha na adequação do solo para o masterplan que receberá as demais empresas que comporão o parque.  “O Órion representa um avanço e um novo vetor econômico em nossa cidade. É um projeto no qual depositamos muita esperança e temos uma perspectiva muito boa. A questão da inovação e da tecnologia é um setor que cresce no mundo inteiro, agrega serviços, remunera bem e cria um poder aquisitivo importante para a cidade. Não tenho dúvida que será um dos maiores geradores de oportunidades e empregos em Lages”, comentou Pinheiro.

Sinotruk, linha aérea e mais

Como não podia deixar de ser, o assunto Sinotruk também veio à baila. Pinheiro assegurou que a empresa mantém firmemente o projeto Lages. O terreno para a instalação da empresa está sendo desmembrado para que a área possa se tornar um polo automotivo, com a Sinotruk como norteadora de vários outros empreendimentos que produzam para atender a demanda da gigante chinesa. Além da doação do terreno, a Prefeitura também deve cuidar da terraplanagem, enquanto que para o Governo Estadual restarão assuntos como a disponibilização do setor de energia e o acesso ao local.

O contato com empresas já instaladas no município continua. O secretário falou dos planos de expansão da companhia de distribuição de petróleo Idaza, que vai praticamente triplicar sua produção e aumentar em mais de seis vezes a capacidade de armazenamento. “Isso vai representar um reflexo imediato na questão do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) em nossa cidade”, comemora Pinheiro.

Outras empresas como a Superfrut, a GTS, e mais uma companhia madeireira vão agregar valor em suas ações, o que vai representar centenas de novas vagas de emprego. O secretário também relevou que uma nova lei de incentivos fiscais, mais prática, clara e transparente, está sendo finalizada e logo apreciada pelos vereadores.

Outra boa nova de Pinheiro diz respeito à linha área comercial de Lages. “As inconformidades dos aeroportos de São Miguel e Concórdia estão sanadas, e a (companhia aérea) Brava deve conseguir a homologação do voo que engloba estas cidades, Lages e Florianópolis. A perspectiva é boa”.

O secretário aproveitou para convocar os vereadores para uma reunião que vai buscar uma solução permanente junto à coordenadoria do Sul do país da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), para que as empresas que possuem acessos através da BR-116 possam desenvolver suas atividades dentro de uma normalidade.

Investimentos de R$ 700 milhões na Serra

A SC Participações e Parcerias S.A. (SCPar) tem o objetivo de gerar investimentos no estado, através de participações societárias, em parcerias público-privadas ou concessão de serviços públicos.

Presidente da empresa, o lageano Paulo César da Costa tem percorrido o estado em encontros com a classe empresarial e produtiva, onde apresenta as intenções e investimentos do governo Colombo para diversas áreas. “O objetivo é informar e também receber as informações destes grupos para que os investimentos brutais que serão feitos tenham os melhores encaminhamentos possíveis”, disse Costinha, como é conhecido o também ex-vereador de Lages.

Ele revelou que o montante de R$ 7 bilhões será aplicado no estado através do programa Pacto por Santa Catarina, sendo R$ 700 milhões destinados a serra catarinense. “O PIB da região representa 2,5 a 3% do estado, mas o esforço que o Estado tem proposto para alavancar o desenvolvimento da região pode ser constatado pelo investimento de 10% do Pacto por Santa Catarina”.

Busca por novas empresas e fortalecimento das existentes

Costinha também falou sobre a geração de emprego e renda no município. Enalteceu a participação do Governo na instalação da Flex e da Chocoleite, bem como em tratativas para o crescimento de empresas como a Ambev e a Klabin, e no impulso dado a pequenas empresas com mais de R$ 4 mi em concessão de terrenos, financiamentos de infraestrutura e incentivos fiscais.

Citou o caso da Âncora, líder nacional no mercado de fixadores para construção civil, que já comprou terreno em Lages, está fichado na junta comercial do município e logo deverá contratar as obras de instalação da empresa. Revelou que a SCPar está associada a empresa Star Light Led, que será a primeira indústria da área de iluminação em Led no estado. “Propusemos à empresa que Lages seja o primeiro município do Brasil com toda a iluminação pública a Led. Além do mais, queremos que esta produção aconteça em nossa cidade.”

Destacou ainda que nas viagens realizadas à China, pôde constatar o firme propósito da Sinotruk de se estabelecer na Serra. “O contrato social da empresa estabelece: Lages-Santa Catarina-Brasil”, disse. A SCPar será coproprietária da Novaer, de aviações, que deverá nos próximos meses também desenvolver atividades no município e gerar emprego e renda para todos os lageanos. Cursos de Engenharia Mecânica e de Materiais deverão ser implantados nas faculdades de Lages para fornecer mão-de-obra especializada a estas empresas.

Classes política e empresarial precisam de foco

“Às vezes perdemos tempo com discussões que não levam a lugar algum. Precisamos ter um foco no desenvolvimento da região”, foi o recado de Paulo César da Costa à classe política e aos líderes de sindicatos e entidades empresariais.

Alguns assuntos merecem esforços de todas as autoridades da região. A primeira é a questão ferroviária. Costinha participou de uma reunião com as maiores autoridades deste transporte no Brasil, ocorrida no dia 15 de março, na Fiesc. Os investimentos previstos na área pelo PAC2 giram em torno de dez mil quilômetros da malha férrea que serão restauradas no país.

A ferrovia Norte-Sul, que passa por Lages, terá a bitola larga de 1,60m de largura (atualmente é a bitola estreita), o que aumentará sua capacidade operacional. A ferrovia Leste-Oeste, que ligará Chapecó ao porto de Itajaí, ainda não tem uma definição clara sobre por onde cruzará o estado. “É importante estarmos engajados nesta questão para que consigamos que ela passe perto do nosso aeroporto regional e transforme aquele local em um grande centro logístico. Precisamos utilizar nossos esforços e toda a influência política, financeira e técnica possível”, argumentou.

O valor agregado para o caso do aeroporto pode viabilizar, inclusive, que o local funcione como um porto seco, recebendo produtos de toda a região do Cone Sul, e que são destinados a vários estados e também a outros países. A revitalização da BR-282 na região serrana, com reparos na via e a construção de terceiras pistas, é urgente, segundo Costinha. Ele afirmou que o Governo tem recursos destinados para este fim, mas que são necessários projetos dos municípios para algumas iniciativas sejam elencadas como prioridades.

Em relação ao gás natural, Paulo César disse que as obras estão passando pelo Alto Vale do Itajaí rumo a Rio de Sul e Otacílio Costa. O custo para que o mesmo chegue a Lages é de R$ 180 mi e a demanda, segundo Costinha, ainda não justifica tamanho investimento. No entanto, assegurou que em menos de uma década o empreendimento será uma realidade no município. “Enquanto a linha principal não vier, pode-se usufruir do gás liquefeito, através de uma usina de expansão. O que podemos é garantir que toda empresa que quiser investir em nossa região e precisar de gás, o Estado, através da SC Gás, se compromete a fornecê-lo. Será assim com a Sinotruk e com outras empresas”, comentou.

A última fronteira agrícola do estado

Mesmo representando menos de 1% do território nacional, Santa Catarina é o maior produtor de carne suína, o segundo em carne de aves e o 5º em produção de leite no Brasil. Apesar disso, o estado apresenta um déficit de dois milhões de toneladas de milho e soja para alimentar a criação no estado.

Esta é uma das principais dificuldades enfrentadas pelo Governo para o desenvolvimento econômico do estado. “O Oeste não possui mais local para o plantio. Precisamos investir no nosso interior”, esta ideia foi exposta por Paulo César da Costa na sessão. “A Coxilha Rica, nossos campos, é uma grande fronteira a ser desenvolvida. Nossa riqueza pode se multiplicar rapidamente, facilmente, distribuída, com gente daqui, tanto na produção de grãos como na área de produtos lácteos”, argumentou.

 

Informações Everton Gregório / Câmara de Vereadores de Lages