“Um Programa voltado ao amor”. Assim definiu Ari Martendal o Lages 100 Fome, projeto que idealizou e que há dez anos procura aplacar a fome e a miséria dos que mais precisam, na Sessão Solene que homenageou o programa na Câmara de Vereadores na noite de terça-feira (16).

Proponente da solenidade, a vereadora Aida Hoffer se disse honrada por homenagear este grupo de colaboradores. “A marca registrada deste programa é agir sem demora, sem burocracia e sem preconceitos, em uma ação forte e consolidada do voluntariado, que é o meio de construção e expressão da verdadeira cidadania e amor ao próximo.”

O início, em 2003

O programa surgiu a partir de provocações de Martendal em sua coluna de opinião publicada semanalmente no jornal O Momento. Em “Pra Não Dizer Que Não Falei das Panelas”, o professor criticava a falta de ocupação de cozinhas comunitárias localizadas em salões paroquiais, sindicatos e associações, enquanto pessoas passavam fome nas ruas.

Em janeiro de 2003, ele se encontrou com o então prefeito Raimundo Colombo que pediu um projeto que tivesse como mote a erradicação da fome em Lages. O documento era apenas uma folha de papel. “Escrevi que o projeto não ia descriminar ninguém, não ia dar vez para demora, nem bola para burocracia. Esta é minha luta como anarquista. Não é assim que fazemos com o povo. As barrigas não têm mais tempo para esperar”, contou o professor.