Celebrado no dia 12 de junho, o “Dia da Conscientização da Cardiopatia Congênita” foi lembrado na Câmara durante a sessão de segunda-feira (10/06), pela vereadora Aida Hoffer.

Em 2011, a legisladora foi autora do projeto que criou a lei 3.816,  que obriga a realização do “Teste do Coraçãozinho” ou Oximetria de Pulso nos bebês recém-nascidos em até 24 ou 48 horas (exame que pode detectar Cardiopatia Congênita, ou seja, algum defeito na estrutura ou função do coração, que surge nas primeiras oito semanas de gestação, quando se forma o coração do bebê).

Lages é a única cidade de Santa Catarina onde o teste já é lei. Cidades como a capital Florianópolis, Joinville e Brusque caminham no sentido de criar a legislação.

 Para lembrar a data e com o intuito de divulgar a importância do procedimento Aida distribuiu aos colegas legisladores o Laço-Símbolo brasileiro da Cardiopatia Congênita, onde as cores lembram o fluxo sanguíneo no coração, ou seja, o vermelho representando o sangue arterial, e o azul, o sangue venoso. “Se uma vida for salva já valeu a pena”, destacou  a vereadora.

Além disso, a parlamentar convidou o chefe do Serviço de Neonatologia do Hospital Geral e Maternidade Tereza Ramos,  o médico pediatra Laércio Dall Azen, para participar da sessão ocupando o Horário dos Partidos para falar sobre a realização do teste na instituição.

Segundo Laércio, os exames estão sendo realizados no Tereza Ramos há 5 meses. Cerca de 1500 testes já foram feitos, em média 300 ao mês. Ainda de acordo com ele, o número de exames alterados é relativamente pequeno, mas caso ocorra alguma alteração outros procedimentos são solicitados. “Se detectado algum problema o bebê deve fazer um ecocardiograma, e posteriormente é encaminhado a serviços especializados de cardiologia”, explica.

 

Texto: Lizzi Borges - Fotos: Elisandra Pandini - Asses. de imprensa da Câmara de Lages