O prefeito de Campo Belo do Sul, Pe.  Edilson José de Souza,  ficou perplexo ao ser informado na manhã desta quarta-feira (19), da prisão do secretário municipal de Agricultura, Edemar Pletsch. Pelo que informou a Polícia Civil, Edemar é acusado de participação no assassinato da própria mulher, Marlene Catarina Pletsch, 52 anos e da mãe dela, a aposentada Seraselia Neis, 74 anos.

“Estarrecido e sem palavras. Jamais imaginei que o ser humano pudesse chegar a este ponto. Mas cabe a polícia apresentar a materialidade dos crimes e a Justiça fazer sua parte. Estou chocado com esta notícia”, informou o prefeito. Ele reuniu o secretariado nesta quarta-feira e recomendou cautela sobre possíveis comentários que possa haver dentro da administração.

\"\"

 

Edilson disse, ainda, que os trabalhos na prefeitura não sofrerão qualquer solução de continuidade e entende que a elucidação dos crimes são méritos especialmente da população que se mobilizou em passeata e cobrou durante todo esse tempo, uma solução das autoridades.

“Não sei expressar este sentimento. Se por um lado o alívio do esclarecimento dos fatos, por outro, o espanto da autoria. Mas, uma coisa digo, independente deste ou de qualquer outro crime. A vingança nos torna igual ao inimigo. O perdão nos torna superiores a ele. Que Deus perdoe os que erraram”, declarou o padre.

Além do secretário de Agricultura, três outras pessoas estão presas sob força de Mandado de Prisão Provisória de 30 dias. Ainda esta semana será interrogada mais uma pessoa. Os mandados tendem  a se converter em Prisão Preventiva, segundo a polícia. Mãe e filha foram mortas dia 13 de fevereiro deste ano a tiros,  dentro da própria casa, na localidade de Morro Agudo,  a 15 quilômetros do perímetro urbano de Campo Belo do Sul.

 

Nos dias seguintes, ocorreu uma grande passeata pedindo justiça. E o principal acusado estava lá, participando e apoiando (ou disfarçando o bárbaro  crime).

 

Onéris Lopes - Assess. de Imprensa da Amures