Três pleitos do setor produtor de maçã foram levados ao conhecimento do Ministro de Agricultura, Antônio Andrade, na última quarta-feira (26/06). O deputado federal Valdir Colatto (PMDB-SC) acompanhou o presidente da Associação Brasileira de Produtores de Maçã (ABPM), Pierre Nicolas Pérès, o presidente da Associação dos Produtores de Maçã e Pêra de Santa Catarina (AMAP), Rogério Pereira, o vice presidente da entidade, Volnei Nunes, e os prefeitos de Urupema, Amarildo Luiz Gaio e de São Joaquim, Humberto Brighenti. A audiência contou também com a presença do secretário nacional de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller.

Os pleitos dizem respeito a busca por alternativas ao controle químico da mosca-da-fruta por meio de técnica do macho estéril e controle biológico, a extensão do prazo de reembolso da Linha Especial de Comercialização (LEC) da maçã de 180 para 240 dias e a revisão da Resolução 4.126/2012 do Conselho Monetário Nacional (CMN), que trata da composição do endividamento dos produtores da maçã.

Em relação a mosca-da-fruta, o pedido se deve ao fato de que as moléculas dos defensivos utilizados atualmente para combate da praga são muito agressivas, portanto se faz necessária a criação e multiplicação de um macho estéril que acabará com a reprodução da praga.

O endividamento dos produtores de Santa Catarina se deve principalmente a fatores climáticos como geadas e granizos ocorridos há cerca de sete anos, em uma época que os seguros da produção não eram eficientes. Uma das sugestões para a solução deste problema é a mudança de regras para o pagamento dos investimentos. A intenção é que os R$ 300 milhões acumulados em dívidas pelos produtores de maçã, incluindo ao R$ 63 milhões já refinanciados a juros TJLP + 2,5%, sejam refinanciados nos mesmo moldes propostos para o Plano Agrícola e Pecuário 2013/2014, que prevê linhas de financiamento com taxas de juros de 3,5% ao ano.

Assessoria de Imprensa do deputado Valdir Colatto - Foto: Carlos Silva