Dr. Nazareno J. Wolff, Procurador da República de Lages, estará amanhã em Abdon Batista. Pela manhã, ele conversa com representantes dos atingidos da UHE Garibaldi sobre problemas ocorridos com a inundação do lago para além do previsto e falta de indenizações para algumas famílias. Depois, deverá fazer algumas vistorias da situação nas propriedades.

De tarde, em horário que ainda será definido, deverá acontecer reunião para uma possível conciliação entre as partes: representantes da empresa Rio Canoas Energia, Fatma, Procuradoria da República (Ministério Público Federal), atingidos e outros envolvidos. Idéia é que haja uma conciliação, o que evitaria maiores demandas judiciais e tempo de solução.

Há 15 dias, a UHE Garibaldi começou a operar a primeira das três turbinas, já gerando eletricidade. O começo de  operações aconteceu com quase um ano de antecedência ao tempo previsto para a construção. Mas os atingidos alegam que a usina alagou mais do que o previsto e que não houve as devidas compensações para algumas famílias. Em função disso, a Assembleia Legislativa nomeou uma comissão de acompanhamento. Os deputados e técnicos desta comissão foram fazer vistoria e constataram vários problemas.

Loreno Siega - Revista Visão