Quarenta escolas de Lages, das quais 25 da rede estadual, já aderiram ao projeto Lixo Orgânico Zero, idealizado pelo professor Germano Güttler, do curso de Agronomia do Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc).

O projeto Minicompostagem Ecológica quer deixar a cidade de Lages livre de resíduos orgânicos, que são transformados em húmus para cultivo de plantas ou hortaliças. Nas escolas, o lixo é separado pelos alunos e professores em lixeiras diferenciadas para ser utilizado nos canteiros. 

Um grupo de seis bolsistas, quatro da Secretaria Municipal de Educação e dois da Udesc Lages, já está visitando instituições da cidade para mostrar a viabilidade do projeto e convencê-las a aderirem ao método de eliminação do lixo orgânico.

Recursos

A 13ª Promotoria de Justiça de Meio Ambiente de Lages, do Ministério Público do Estado de SC, destinou R$ 150 mil do Fundo para Reconstituição de Bens Lesados (FRBL) para ser utilizado na divulgação do projeto da Udesc Lages. O fundo é constituído por receita de condenações e acordos, doações e multas aplicadas no descumprimento de decisões judiciais.

Parte desse valor foi usada para a contratação da pedagoga Silvia Alves e da bióloga Márcia Spiller, que já começaram a visitar as instituições, principalmente a rede publica de ensino de Lages e região. Elas terão 18 meses para expor as vantagens da adoção do projeto Lixo Orgânico Zero.

O dinheiro será usado também para a compra de um automóvel. Depois de concluído o trabalho pelas duas profissionais, o veiculo será doado à Secretaria Municipal de Meio Ambiente, para continuar a divulgação do projeto idealizado pelo professor Güttler.

 

Informações Assessoria de Comunicação Udesc