O mundo inteiro assistiu ontem (08/07) ao maior fiasco da história da Seleção Brasileira de Futebol. Nunca antes, na "história deste país", nosso escrete canarinho havia sido tão humilhado e massacrado nos gramados (e ainda mais numa semifinal de Copa do Mundo, na nossa casa, e com o alemão Klose fazendo 16 gols em copas exatamente contra nós e superando o nosso Ronaldinho, que assistia a tudo no estádio). 

O que penso disso?

1) Trata-se apenas de uma partida de futebol (catastrófica, "histórica", "vexatória", "humilhante", mas apenas uma partida de futebol. A própria Espanha, campeã do mundo em 2010, levou 5 x 1 na estréia no Brasil contra a Holanda. Portugal, neste mesma Copa, caiu de 4 x 0 da mesma Alemanha (e eles tem o Cristiano Ronaldo, o melhor jogador de futebol do mundo). Perder faz parte do futebol - aí está a graça e a magia desse e de todos os demais esportes). 

2) A Copa do Mundo não estava comprada (como muitos diziam);

3) Quer queiram ou não os críticos, essa foi a melhor Copa do Mundo já realizada até agora (estádios cheios, jogos inesquecíveis - como o de ontem, por exemplo - , jogadas sensacionais, um país todo mobilizado - e até nos Estados Unidos dava 20 mil pessoas numa praça assistindo os jogos de sua seleção). 

4) Faltou maturidade e experiência à nossa seleção - Depois que levou o primeiro gol, simplesmente se perdeu em campo ("desandou a maionese", como se diz). Depois levou mais 4 gols em apenas seis minutos - sinal do total descontrole emocional, descompasso e falta de maturidade em campo). Os constantes choros dos jogadores, nos jogos anteriores, foi a maior prova dessa falta de maturidade e experiência. 

5) O time precisa treinar mais - ficar mais tempo se preparando  antes de uma competição tão importante (neste ano, com a Copa em casa, a seleção foi convocada definitivamente 20 dias antes da primeira partida - um absurdo completo). E não se deve "endeusar" tanto apenas um jogador. Futebol é esporte coletivo (vide o exemplo da Alemanha, que joga "afinada e coesa" igual uma orquestra). 

6) Houve muita pressão psicológica sobre nossos jogadores e comissão técnica (todos cobravam que ganhassem a Copa de qualquer maneira para nos "vingar" de 1950. A imprensa em cima, a torcida em cima o tempo todo... ). Deviam ter levado o time lá para o interior da Amazônia e expulsar de lá a Rede Globo e todos os cartolas. Aí quem sabe os jogadores teriam menos exposição e ficassem mais focados no seu trabalho). 

7) O Brasil não é mais o país do futebol (e faz tempo). Temos de nos convencer disso. E começar a investir mais na base (começando pelos nossos times profissionais). Dá pena ver os jogos do campeonato brasileiro (vocês não acham?); 

8) Mostramos ao mundo nossa simpatia, hospitalidade e alegria ao receber aos milhares de turistas que vieram nos visitar. Somos sim, um povo diferenciado. E isso vai refletir na imagem do país para o resto do mundo. 

9) Perdemos de 7 x 1. E daí? Foi apenas uma derrota numa competição esportiva. Nada mais do que isso. 

10) De minha parte, continuo amando o Brasil e tudo o que temos de bom (inclusive nossos jogadores, que são humanos e fracassaram). E odiando a corrupção, a malandragem, o jeitinho, a safadeza, a maldade, a roubalheira (que acontece no Brasil e em todos os lugares do mundo - e devem ser rechaçados sempre, não só no tempo das eleições e da Copa do Mundo). 

11) Se o Brasil tivesse vencido a partida contra a Alemanha, hoje eu estaria feliz com mais uma final. Mas no domingo tudo iria acabar (mesmo com o título e com a festa). Estou triste. Mas a vida continua. Assim como nas vitórias, tenho de ganhar o pão nosso de cada dia com muito esforço, trabalho, dedicação e empenho. E procuro viver isso e ensinar isso a meus filhos. E não é o mesmo que acontece com você, amigo? 

12) A vida segue. E no sábado estarei em frente à TV torcendo pelo terceiro lugar da nossa seleção (cheio de medo, claro. Mas estarei lá). E no domingo vou ver a final da Copa e torcer para que seja um grande jogo e que, de preferência, vença aquele time que melhor jogar e merecer (inclusive pode ser a Argentina, por que não?). 

Abraços e beijos a todos. Viva o Brasil. Viva o esporte. Viva o futebol. E viva a Copa no Brasil e as Olimpíadas no RJ daqui a dois anos. 

Loreno Siega - Diretor de Redação - Revista Visão