Sob o argumento de que "ninguém queria assumir", o empresário Cristopher Nasário Nunes, natural de Braço do Norte, assumiu a direção do Inter de Lages. 

O time lageano, que "comeu o pão que o diabo amassou" durante vários anos para voltar à elite do futebol catarinense, renegociando dívidas antigas, agora, literalmente, "tem um dono". 

Com certeza, esse empresário (como fazia antes de ser presidente), vai querer colocar no time apenas os "seus jogadores", o "seu técnico"...enfim, defender seus interesses privados - usando para isso um clube de futebol que antes pertencia ao coração e a toda a torcida da cidade de Lages. 

Nada contra o Sr. Cristopher (até porque nem o conheço direito). Ele está no seu papel de empresário e de querer crescer enquanto investidor do futebol. Só que qualquer empresário, na essência, busca um só objetivo: ganhar dinheiro com seu(s) negócio(s), o que é muito legítimo e legal.  

Mas, perguntamos: Será que o novo "dono" do Inter vai pagar aluguel pelo uso do estádio público? Vai pagar a energia elétrica que se vai consumir no estádio em dias de jogos? Vai pagar pelo policiamento e pela segurança? Pela ambulância e serviços médicos que estarão lá para acompanhar os jogos? Vai pagar impostos das suas atividades "empresariais"?

Uma lástima que aqueles que "deram o sangue" para ver o Inter brilhando novamente tenham "jogado a toalha" numa hora tão derradeira como  agora, na volta à elite do futebol. Menos mal que o repórter Patrick Cruz continuará na diretoria (como vice-presidente).  

Tomara que o Cristopher tenha sucesso em sua empreitada. Mas  que os interesses do Inter enquanto instituição de todos os lageanos estejam acima dos interesses de lucro deste empresário. Se não der certo, o empresário vai embora. E a torcida do Inter? E a instituição Inter de Lages?

Loreno Siega - Revista Visão

NOTA DO BLOG: Nos comentários abaixo, duas pessoas "caíram de pau" contra a nossa postagem. Uma delas, inclusive, nem se identificou (mas falou em nome do Inter. E pelo palavreado, a gente sabe de quem se trata). Jamais falamos mal do Inter de Lages. E também jamais deixamos de divulgar as ações do clube neste espaço. Mas se até Jesus Cristo, que é Filho de Deus, foi crucificado entre dois ladrões, por que não podemos COMENTAR algo sobre o Inter de Lages que nos causa preocupação? Por acaso agora o Inter de Lages está acima do bem e do mal e jamais pode ser criticado? A essência do jornalismo é o contraditório. Até o poderoso Barcelona, Real Madrid, Corinthians, quando merecem, recebem duras críticas. Portanto, podem nos criticar à vontade. Se vocês têm esse direito, por que nós, da imprensa, não temos?