No dia 05 de agosto do ano passado, em grande evento no Serrano Tênis Clube, anunciava-se a instalação em Lages de uma unidade da Sanovo Greempack Embalagens, uma multinacional dinamarquesa cuja sede brasileira fica em Sorocaba (SP). A empresa investiria  cerca de R$ 60 milhões na nova filial, em Lages.  Aqui, confeccionaria  anualmente 50 milhões de bandejas com papel reciclado para o armazenamento de maçãs e ovos, gerando aproximadamente 150 empregos diretos. 

O empreendimento contaria  com incentivos fiscais do Governo de Santa Catarina e da prefeitura de Lages. As parcerias foram oficializadas durante o ato. O  então prefeito Elizeu Mattos assinou à imissão de posse de um terreno de 80 mil metros quadrados na avenida Victor Alves de Brito (próximo a Ambev) para a construção da fábrica.

Mas, para  usufruir dos benefícios, a empresa precisaria iniciar o processo de implantação em até 180 dias daquela data (que seriam completados agora em  05/02/2015). O gerente geral da Sanovo Greempack no Brasil, Edson Roberto Donzelli, apresentou dados sobre o grupo, e ressaltou que a intenção seria  locar de imediato um barracão para concentrar e distribuir bandejas produzidas em outras filiais enquanto a fábrica de Lages é construída.

PERGUNTAMOS....

Alguém já viu movimento de terraplanagem ou o dito barracão lá no terreno em questão, em frente da antiga boate "Casa das Máquinas"? E vai ficar por isso mesmo? Seria mais um golpe eleitoreiro? Ou em Lages é natural anunciar empresas e elas não virem? E a Colúmbia, que trabalharia com resinas de pinus? E a Ekomposit? E a Sinotruk? E a Novaer Kraft?

Loreno Siega - Revista Visão