Não é força de expressão: a noite de 4 de março de 2015 já entrou para a história do Esporte Clube Internacional. A vitória por 2 a 0 contra o Avaí levou o Inter ao hexagonal decisivo do estadual e, de quebra, colocou o clube na Série D do Campeonato Brasileiro. O Colorado Lageano não briga pelo título do Catarinense há mais de duas décadas.

O Inter precisava da vitória para tentar seguir adiante no campeonato, e foi buscá-la desde o início. Reinaldo abriu o placar aos 4 minutos de jogo. Ele recebeu a bola fora da área, girou sobre seu marcador e bateu com força. A bola entrou à esquerda do goleiro Diego, em mais um golaço do Inter na competição.

Pouco depois, o Avaí quase empatou. Fernando Henrique salvou o Inter, em uma finalização avaiana à queima-roupa. Mas o lance não ofuscou o domínio territorial colorado. O time tocava a bola e assustava nos contra-ataques, empurrado pelos mais de 3 mil entusiasmados torcedores.

Aos 23 minutos, Marcelinho Paraíba bateu falta, encobriu Diego e acertou o travessão. Dois minutos depois, após cobrança de escanteio, Vitor Hugo quase abriu o placar, de cabeça. Entre um lance e outro, a torcida puxava seu tradicional "olê, olê, olê, olê, Inter! Inter!"

Calyson teve ótima chance para ampliar aos 38 minutos, mas chutou por cima depois de driblar o goleiro. O meia-atacante se redimiu aos 40 minutos: em contra-ataque pela esquerda, ele entrou na área e tocou por cima de Diego. Mas o belo gol foi invalidado: segundo a arbitragem, Reinaldo empurrou o zagueiro avaiano quando a bola estava prestes a entrar.

O número de lances de ataque diminuiu no segundo tempo. Um dos mais perigosos foi do Avaí. Aos 18 minutos, Rômulo bateu de longe para tentar encobrir Fernando Henrique, mas o goleiro colorado salto e fez mais uma ótima defesa.

Perto dos 30 minutos, com o campo pesado por causa da forte chuva, os colorados começaram a tocar a bola para tentar mantê-la no ataque, sem correr o risco de sofrer o empate. Mas ainda havia tempo para mais emoção. Aos 42 minutos, Lucas Gabriel pegou a bola na defesa e lançou na ponta-esquerda, para Valdo Bacabal. O atacante passou pelo marcador e, quase sem ângulo, tocou por cima de Diego.

Foi a senha para a explosão da torcida colorada. A chuva não deu trégua durante toda a partida, mas ninguém deixou o estádio enquanto a arbitragem não encerrou o duelo. Com o apito final, os torcedores vibraram - mas permaneceram tensos por mais 40 segundos. Era o tempo que faltava para o encerramento do jogo entre Marcílio Dias e Guarani de Palhoça. A partida estava empatada por 1 a 1. Se o Guarani fizesse mais um gol, ultrapassaria o Inter e poderia comprometer a classificação colorada.

Quando o jogo terminou também em Itajaí, houve nova vibração no Vidal Ramos Júnior. O Inter estava de novo no grupo dos clubes que vão decidir o título catarinense. A última vez que o Inter entrou na fase decisiva do estadual foi em 1992. E, ao chegar ao hexagonal, o Colorado Lageano assegurou também o direito de ser um dos dois clubes que representarão Santa Catarina na Série D do Campeonato Brasileiro de 2015 - o outro é o Metropolitano. É a primeira competição nacional que o Inter vai disputar em 49 anos. A última - e única - foi a Taça Brasil de 1966 (saiba mais no texto a seguir).

O Internacional estreia no hexagonal decisivo neste domingo, em casa, contra o Figueirense. O jogo será às 16h. No hexagonal, todos os clubes jogam contra todos, em jogos de ida e volta. Os dois melhores do hexagonal farão as finais do campeonato.

INTER 2 x 0 AVAÍ

INTER: Fernando Henrique, Canavarros, Hebert, Lázaro e Jefinho; Vitor Hugo (Diogo), Michel Schmöller, Lucas Gabriel, Marcelinho Paraíba e Calyson (Valdo Bacabal); Reinaldo (Bruno). Técnico: Marcelo Mabilia

AVAÍ: Diego, Renato (Cássio), Philipe Maia, Jéci e Eltinho; Eduardo Neto, Revson (Edinho), Renan Oliveira (Renan) e Marquinhos; Rômulo e Bruno Mendes. Técnico: Geninho

Gols: Reinaldo (4'/1T) e Valdo Bacabal (42'/2T)

Público: 3.190 torcedores

Renda: R$ 54.820,00 

Assessoria de Imprensa do Inter de Lages