Prefeitos dos municípios lindeiros da BR-116 no trecho da Concessionária Autopista Planalto Sul - Arteris, desde o Paraná até a ponte do rio Pelotas em Capão Alto conheceram nesta quinta-feira, os primeiros estudos de duplicação da rodovia. A reunião aconteceu na sede da Arteris, em Rio Negro (PR).

A proposta inicial contempla 270 quilômetros de duplicação dos 380 que a concessionária tem autonomia de gestão. O diretor-superintendente da Autopista Planalto Sul, Antônio Cesar Ribas Sass explicou que se trata apenas de um estudo preliminar e até chegar ao projeto executivo, muitas mudanças certamente serão implementadas.

Até a próxima semana, o estudo será entregue para análise técnica da Agência Nacional de Transportes Terrestres – ANTT, em Brasília e se for aprovado inicia a contratação do projeto básico para até final do ano que vêm estar pronto o projeto executivo para no início de em 2017 iniciar efetivamente a obra física.

O presidente da Amures, prefeito de Correia Pinto Vânio Forster disse que a duplicação será importante para desenvolver os municípios lindeiros da rodovia. “Além dos benefícios de redução de acidentes, o custo operacional de transportes será significativo e com isso, novos empreendimentos acontecerão nesses municípios”, comentou Forster.

Dentre os estudos da concessionária estão o levantamento de tráfego, traçados, custos de desapropriações e estudos ambientais. Para duplicar os 270 quilômetros, a previsão de conclusão das obras seria até 2023 ao custo total de R$ 2.5 bilhões.

O retorno do investimento à concessionária virá através de aumentos da tarifa de forma escalonada ao longo dos anos e prorrogação do contrato de concessão por mais cinco anos. Até dia 31 julho é o prazo que a concessionária tem para entregar o estudo à ANTT.

 

Informações Onéris Lopes / AMURES