O Coronel Zinder, comandante da Polícia Militar do Interior e o advogado de defesa do policial Rodrygo, João Carlos Matias conversaram com a imprensa em coletiva no inicio da tarde desta segunda-feira (19/10), no 6º Batalhão de Polícia Militar.

O PM Rodrygo Sousa Rodrigues, 27 anos, está afastado. Ele está bastante abalado e tem recebido atendimento médico e psicológico. O jovem tinha apenas três anos em serviço.

Segundo o advogado de defesa, João Carlos Matias, o policial ainda não prestou depoimento oficial, mas o pouco que disse foi que a intenção ao atirar em direção ao carro, era conter o Gol, para que não atropelasse mais pessoas. “Ele disse que não viu a pessoa que foi atingida e que quando soube que era sua esposa, ficou ainda mais abalado. Disse ter pensado que a civil também tinha sido atropelada. Foi uma questão que passou pela cabeça dele em um milésimo de segundo, ele tentou cessar a possibilidade de um mal maior”, disse o advogado.

O coronel Zinder disse que o caso foi repassado para Corregedoria que irá instaurar um inquérito, que deve ficar pronto de 30 a 90 dias. Se for preciso, inclusive, será feito a reconstituição do caso.

Casal trabalhando junto?

O fato do casal estar trabalhando na mesma operação foi bastante questionado. Sobre isso, o Coronel disse não haver uma regra, que há irmãos, pais e filhos que trabalham juntos, que isso não é um fator que influencia. “O que vamos averiguar é o procedimento do policial diante de um fato inusitado”, disse.

Motorista

O motorista, Walter Alcidez Furlan, 81 anos foi levado a delegacia, logo depois do atropelamento e será investigado por tentativa de homicídio e evasão de local de blitz. Ele responderá o processo em liberdade, já que pagou fiança fixada em R$ 3.500.

A policial

Karina Gerusa Grieber, 27 anos é a PM que foi atropelada. Ela teve apenas um trauma no quadril e luxações e passa bem.

Texto e fotos: Liana Fernandes

 

Leia também:

Furo em blitz na Presidente Vargas acaba em atropelamento e jovem atingida por tiro na cabeça