Falta pouco para Lages se tornar um dos únicos polos de tecnologia de Santa Catarina. Em visita às obras do Parque Órion na tarde desta quinta-feira (29), o prefeito Elizeu Mattos acertou detalhes com secretários municipais. A obra entra praticamente na fase final de construção do edifício central. Os 4.097,11 metros quadrados abrigarão empresas startups de tecnologia, fomentando outras na modalidade de incubadora. Em torno de 90% das obras estão prontas na área de aproximadamente 90 mil metros quadrados.

A empresa JK Engenharia de Obras, de São José, está executando os trabalhos atualmente. Os investimentos do governo do Estado e do Município, somados, deverão chegar a R$ 8 milhões entre construção do prédio, saneamento básico, arruamento, urbanização e mobiliário. Cerca de 50 operários, contando os terceirizados, estão atuando na colocação de porcelanato, instalação de sistema de aquecimento a gás, pintura e outros acabamentos.

Está em fase de desenvolvimento a questão de processos seletivos e concursos para atuação no Parque depois de pronto. “O Órion será um acelerador de empresas a partir de muito treinamento. Universidades e área de governo federal, estadual e municipal, além de instituições de fomento como o BNDES, Sebrae e Senac também participarão”, cita Valmir Tortelli, um dos vice-presidentes do órgão. A edificação foi pensada para operar suportando entre 600 e 700 pessoas em trabalho sob os preceitos de inovação, pesquisa e desenvolvimento. Depois de amadurecidas as ideias os contingentes serão multiplicados.

Doação

O prefeito Elizeu Mattos informa que, com a presença do governador Raimundo Colombo, será realizada a primeira doação de área para a primeira empresa-satélite. A solenidade será agendada. Mais tardar em março o prédio deverá ser entregue pronto para ocupação e operação. O mobiliário será licitado. “A obra é de vital importância para Lages e região, como o voo até São Paulo. Aqui serão criadas grandes empresas de tecnologia”, afirma Elizeu.

No prédio estarão concentrados centro administrativo, empresas residentes, incubadora de empresas, elevador panorâmico, auditórios modulares com capacidade para 400 lugares (com ajustes de espaço através de paredes divisórias, dependendo do evento), centro de P&D (Pesquisa e Desenvolvimento), salas de treinamento e de inclusão digital, estrutura de apoio, áreas de convivência, praça de alimentação e o Museu da Tecnologia, além de amplo estacionamento com capacidade de 347 vagas.

Entre 15 e 18 empresas do escopo de inovação já sinalizaram positivamente o desejo de estarem presentes no prédio. A capacidade é para 33. Em lotes anexos ao edifício serão construídas empresas-satélites, como a NDDigital e Softecsul. Está em negociação parceria com a Flex Contact. A NDDigital irá construir uma unidade de 2.600 metros quadrados com previsão de 370 funcionários, mantendo a estrutura do bairro Sagrado Coração de Jesus, com 350 colaboradores. Os investimentos giram entre R$ 3,5 milhões e R$ 4 milhões.

Instalação das redes de água e esgoto

O secretário municipal de Águas e Saneamento (Semasa), Benjamin Schultz, esclarece que já foi levada a rede de fornecimento de água potável até o local das obras. A parte de esgoto está quase concluída, compreendendo dois mil metros de rede coletora, seguindo até o emissário da avenida Belizário Ramos (Carahá) e posteriormente à Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), no bairro Caça e Tiro; compreende duas elevatórias para transporte de rejeitos.

A rede de esgoto deverá estar pronta até o fim de novembro. “As redes irão beneficiar não somente as pessoas envolvidas diretamente com o Órion, mas também, passado este emissário na Heitor Villa-Lobos, moradores do Morro do Posto, da região da descida da Escola Melvin Jones, além dos prédios que estão em instalação em rua próxima ao Bar do Gordo, rua Virgílio Ramos (desde a Flex Contact) e da rua que atravessa a Belizário Ramos, do lado central. Esta será a conexão”, detalha.

Assess. de Imprensa da PML - Fotos: Sandro Scheuermann