Carta aberta

Venho tornar público nesse ato que a Uniplac passa por seríssimas dificuldades financeiras, fruto de irresponsáveis decisões antigas da Fundação e também irresponsáveis omissões da Reitoria. No dia de hoje, vários alunos estão fazendo estágio ou tendo aula prática sem professor orientador, porque a Reitoria resolveu descumprir o acordo firmado, inclusive comigo, no mais alto Conselho dessa universidade, em que o Reitor teria seu salário reduzido e em consequências disso, todos os cargos altos da instituição também teriam, mas não seria mexido no ensino. Ao invés disso, a reitoria resolveu, após injustificável demora de qualquer ação, cortar ainda mais o salário dos coordenadores de curso e professores, que mantém nossa universidade ainda com a boa fama que tem. Hoje, é gasto 1,5 milhão por mês com salários de professores e 1,6 milhão com salário dos demais funcionários. Os alunos não vão aceitar mais piora na qualidade de ensino, enquanto temos um reitor que custa  R$ 32 (trinta e dois!) mil reais por mês, pago com a minha mensalidade. Diante tantos absurdos, eu, presidente do DCE, em nome da comunidade discente, peço a imediata RENÚNCIA do reitor do seu cargo, para um melhor funcionamento da universidade e para que seus atos não levem novamente a Uniplac para o buraco.

Lages, 30 de março de 2016.

Jair da Costa Teixeira Junior - Presidente do DCE da Uniplac 

 

NOTA DO BLOG: A Revista Visão entrou em contato com a assessoria de imprensa da Uniplac sobre o conteúdo da carta aberta enviada pelo DCE. O Reitor, Luiz Carlos Pfleger, deverá se pronunciar ainda nesta tarde através de nota oficial. Assim que recebermos, estaremos publicando.