Começou a ser embarcada nesta segunda-feira, dia 30 de maio, no Porto de Imbituba, com destino à Turquia, a primeira carga de terneiros vivos para exportação na história de Santa Catarina. A inédita operação coloca o Estado em um seleto grupo nacional que inclui apenas o Rio Grande do Sul e o interior de São Paulo. E o grande destaque é a região serrana catarinense, maior beneficiada com essa conquista.

As negociações pelo Governo de SC foram iniciadas há quase uma década (durante o Governo de LHS) e tiveram como principal entusiasta e articulador o então secretário de Estado da Agricultura, Antonio Ceron.

Nesta segunda-feira, Ceron acompanhou o início dos trabalhos no Porto de Imbituba, administrado pelo Governo catarinense e o terceiro do Brasil, ao lado de Rio Grande (RS) e Belém (PA), com capacidade e potencial para a exportação de animais vivos.

Em um navio libanês com configurações específicas para esse tipo de transporte, serão embarcados para a Turquia 3,7 mil terneiros das raças hereford, charolês, devon, limousin e angus com idades entre seis e 11 meses de vida. A viagem vai durar 15 dias e contará com dois veterinários e 380 toneladas de ração, feno e milho.

Todos os animais foram adquiridos pela empresa Tex Foods, comandada por dois grupos italianos e uma das poucas do Brasil devidamente credenciadas e autorizadas a exportar animais vivos.

As compras foram feitas em 200 fazendas de 30 municípios catarinenses e pagas à vista, totalizando R$ 10 milhões. E de todos os 3,7 mil terneiros, nada menos que 2,5 mil, ou 70% do total, são originários da Serra Catarinense, principalmente Lages, Bom Jardim da Serra, Capão Alto, Correia Pinto e São Joaquim.

_ Essa histórica conquista pela qual tanto trabalhamos vai abrir um novo mercado mundial para os pecuaristas catarinenses, especialmente da nossa região. É algo a ser reconhecido e valorizado para continuar _, diz Antonio Ceron.

Assess. de Imprensa do PSD de Lages