Fazer conjecturas sobre candidaturas à Prefeitura de Lages antes do dia 06 de agosto é a mesma coisa que jogar poeira ao vento: a cada segundo, o cenário está mudando. 

Essas notícias de que haverá uma dezena ou mais de candidatos é pura balela. A maioria dos nomes é puro balão de ensaio: colocam seus nomes em evidência para "valorizar o passe", pleitear um espaço como vice ou até mesmo serem lembrados nas maiores composições - e depois "cobrarem a fatura" com cargos na futura administração. 

De qualquer maneira, como nunca fui de ficar em cima do muro, arrisco dizer que teremos duas candidaturas certas. E talvez uma terceira ou quarta, no máximo. 

1) Antônio Ceron, pelo PSD, o  primeiro a se manifestar e a admitir publicamente que é candidato. Ele tem, inclusive, o apoio e a "bênção" do Governador Raimundo Colombo, seu amigo pessoal e forte correligionário. 

2) O outro é o prefeito Elizeu Mattos, do PMDB. Por mais que digam que seu nome está desgastado pelos episódios que envolveram sua administração, ele tem uma máquina com mais de 5 mil funcionários na mão (a Prefeitura). Tem inúmeras obras e ações que mudaram a cidade para melhor. E vai sim à reeleição (eu nunca tive dúvidas disso). 

3) O terceiro nome - se tiver coragem suficiente para ir contra seu amigo pessoal e ex-cunhado, Raimundo Colombo, é o empresário Roberto Amaral, do PSDB. 

 

4) A empresária Andréia Strasser, do PDT,  pelo fato de ser mulher, ter dinheiro para enfrentar uma campanha, e não ter nada a perder, seria a quarta candidata (mas acredito que não saia). 

E OS OUTROS PARTIDOS E CANDIDATOS?

Nada além disso. Partidos como PP, PT, PSB, PR, PRB, PROS, PTB e outros, não terão cacife (leia-se "dinheiro") para bancarem uma eleição na cabeça de chapa. Portanto, brigarão até o último minuto. Mas lá no final serão parceiros das outras candidaturas. 

Arrisco dizer ainda que o PPS continuará indicando o  vice de Elizeu Mattos. E será Toni Duarte. Carmen está deslanchando muito em Brasília. E não deve e nem poderia sair de lá neste momento. O PMDB deverá também ter novamente junto consigo, além do PPS,  o PT e o PTB. 

Do outro lado - de Ceron - é bem provável que o PP esteja junto (indicando o vice - mesmo que seja outro nome já que Arnaldo Moraes não aceita ser vice). O PROS, do Bassin, já se "debandiou" também para o lado do Ceron (sempre em troca de cargos de seu chefe maior - o eterno presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Comércio). E o Marcius Machado, do PR - que brigou com o PPS - também deverá estar nas trincheiras do Ceron (e não vai de vice - será novamente candidato a vereador). 

Na nossa MODESTA opinião, são esses os desdobramentos mais prováveis.

CERON E ELIZEU - OU VICE VERSA

Mas como neste momento do "jogo" todas as conjecturas são possíveis (até pq Colombo defende que a União entre PSD e o PMDB continue em 2018) - e também porque "em política só não vi ainda foi  boi voando" (diria o Jacinto Bet), eu arriscaria dizer que para Lages a melhor composição - para fazer a cidade acelerar ainda mais seu desenvolvimento - seria a dupla CERON e ELIZEU - OU VICE VERSA (num gesto de grandeza de ambos para com a cidade). Aí aquele discurso do Governador Colombo - de dizer que a eleição e as "picuinhas políticas" não devem atrapalhar nosso desenvolvimento - faria todo o sentido. Afinal, haveria boas chances de eleger um prefeito que teria o apoio do Governo Federal e também do Governo de SC (pelo menos por dois anos).  E marcharíamos TODOS UNIDOS POR LAGES. Por que não?

Loreno Siega - Revista Visão