A partir do mês de julho iniciam na região a pratica de queima de campo para renovação da pastagem. Mesmo sendo bastante comum, a queima precisa ser autorizada por órgãos reguladores. A Polícia Ambiental com o auxílio do helicóptero Águia da Polícia Militar deve intensificar as fiscalizações em toda a região serrana do Estado.

Dados de 2015 mostram que foram realizadas nove autuações na região serrana e mais seis na região de Curitibanos por conta da queima irregular de campo, além de averiguações de locais que já possuíam autorizações. Provocar incêndio na vegetação sem autorização da Fundação do Meio Ambiente - Fatma é crime ambiental, sujeito a pagamento de multa e detenção que pode chegar a quatro anos de prisão.

 

Fatma e Polícia Ambiental monitoram áreas

Para facilitar a fiscalização e otimizar recursos, a Polícia Ambiental e a Fatma trabalharão em conjunto para  o combate a queima ilegal. O órgão irá repassar os dados das autorizações emitidas que serão cruzados com os dados das denúncias realizadas na Cia. “Isso deve otimizar ainda o tempo de deslocamento, pois com esses dados iremos apenas nos locais que não possuem a devida autorização”, explica o comandante da 1ª Cia do 2ª Batalhão de Polícia Militar Ambiental, Major PM Adair Alexandre Pimentel.

Para realizar a queima do campo é preciso de uma autorização expedida pela Fatma, esta queimada precisa ainda ser supervisionada por um engenheiro agrônomo ou florestal. Empobrecimento do solo, poluição, destruição de redes de eletricidade e cercas, e acidentes rodoviários são alguns dos perigos ocasionados pelas queimas de campo.

Informações: Flavia Mota - Foto: PMA/Lages