Parlamentares, prefeitos, empresários e associações classistas estão alinhando ações para trabalharem juntos e exercerem pressão no governo federal por manutenção e pela ampliação da capacidade de rodovias que cortam Santa Catarina. Durante audiência pública na Assembleia Legislativa, nesta quarta-feira, o deputado Gabriel Ribeiro (PSD) chamou a atenção para a lentidão do Ministério dos Transportes em encaminhar o processo para duplicar a BR-282 entre a Serra e o Litoral.

Neste ano, ainda quando Dilma Rousseff era presidente, a 282 foi incluída na Proposta de Manifestação de Interesse (PMI), que é uma consulta para verificar o interesse de empresas em assumir a rodovia por meio de concessão. Já o governo de Michel Temer decidiu revisar todos os processos, inclusive os mais antigos, como das BRs 470 (Vale do Itajaí) e 280 (Norte de SC).

A audiência recolheu sugestões regionais para elaborar um documento. Basicamente, os representantes vão manter o tema em pauta permanente e pressionar o governo federal. Ainda irão traçar estratégias conjuntas, mesmo que sejam reivindicações regionais.

Gabriel Ribeiro ainda lembrou que, originalmente, o trecho da 282 Serra-Litoral estava fora da PMI e isso deixaria a região serrana isolada, pois quando houver a modernização de outras estradas, o trânsito será desviado especialmente para a 470. A BR-282 foi incluída, mas agora, enfatizou o deputado, está tudo parado: “Cadê a União? Se trancarmos a rodovia para exigir a modernização acabaremos prejudicando ainda mais a população. Eu uso a rodovia e já presenciei inúmeras mortes ou pessoas gravemente feridas. Isso precisa acabar”, desabafou.

REPÚDIO: Representantes da Arteris, empresa que tem a concessão das BRs 101 e 116, ouviram reclamações das regiões. Porém, não havia ninguém do Dnit, e isso levou o deputado Gabriel Ribeiro a propor (e foi aceito) uma moção de repúdio ao órgão nacional que cuida das BRs.

Também estava na audiência pública o vereador Juliano Polese (PP), eleito vice-prefeito de Lages. Ele lembrou os seus tempos de infância, quando viajava com a família para o Litoral via 470, pelo “antigo trevo do Patussi”. Destacou que, “se não tomarmos previdências estaremos dando um passo atrás, voltando a viajar por aquele entroncamento”, pois o trecho Lages-Florianópolis da 282 se tornou um dos mais perigosos do Estado e do país.

Tarcísio Poglia - Assess. de imprensa do deputado Gabriel Ribeiro