O número de estabelecimentos participantes do programa Rede de Vizinhos, da Polícia Militar, chega aos 330 na região central. A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Lages colaborou com a confecção de 300 placas de identificação. Os 85 primeiros empresários receberam o material nesta segunda-feira (1) em reunião no Centro Cultural Vidal Ramos. O foco da Rede de Vizinhos é trabalhar a segurança comunitária e despertar a conduta vigilante entre os participantes.

O tenente Daniel Machado explica que esse policiamento de vanguarda em que a sociedade colabora com o serviço da polícia é comum em países como Japão, Canadá e Estados Unidos. Em Santa Catarina está em funcionamento nas principais regiões. Em Lages, começou pela região do Centro e já conta com dois grupos. O bairro Coral também integra o programa, e o Guarujá está em fase de implantação. A ideia é expandir para grupos de moradores dos bairros.

Na reunião de sensibilização com os lojistas do Centro, a PM fez esclarecimento dos objetivos, metodologia, benefícios, dificuldades e responsabilidade dos participantes. A partir do cadastro, os participantes recebem visitas preventivas e cartilhas com orientações de segurança. No grupo do aplicativo de mensagem Whataspp há a troca de informações sobre possíveis ocorrências ou tentativas de furtos. “Essa modalidade de segurança vai contaminar a sociedade e desestimular a ação dos criminosos”, destaca Daniel.

Com pouco mais de dois meses de criação, por meio da Rede de Vizinhos três ocorrências foram registradas e os criminosos presos em flagrante. Num dos casos, o individuo tentava furtar R$ 300 em mercadoria na loja da Ione Scos. “Esse programa é muito legal. Já estou vendo os resultados positivos”.  

Para a presidente da CDL, Rosani Pocai, a Rede Vizinha é uma forma proteção mútua. “Um lojista cuida do patrimônio do outro e a sensação de segurança é maior”. Para integrar a Rede Vizinha é necessário entrar em contato com a coordenadoria do Setor 5 da Polícia Comunitária.

Catarinas Comunicação