Os estudos e técnicas desenvolvidas pela Polícia Militar Ambiental de Lages em relação ao combate ao javali conquistam destaque nacional e serão apresentadas em Brasília no fim do mês. A única instituição de policiamento ambiental do Brasil a auxiliar na construção do Plano Nacional de Controle Populacional do Javali será a lageana.

Os resultados são concretos. A primeira edição de uma cartilha educativa voltada ao público infantil foi lançada e distribuída. Um aplicativo para tabletes e celulares será lançado em breve. Já as armadilhas são instaladas em áreas devastadas. Porém, pequenos produtores rurais ainda não têm como usufruir dessa ferramenta.

Nesta terça-feira (8/11), o comandante da companhia, major Adair Pimentel, esteve no gabinete do secretário executivo da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Lages, João Alberto Duarte, e solicitou apoio para a aquisição de 70 armadilhas.

O trabalho experimental ocorre em Campo Belo do Sul, primeiro município serrano a fazer o mapeamento das áreas atingidas pelo animal exótico, e é acompanhado pelo Ministério Público.

Pimentel explica ser necessário instalar as arapucas em 178 pontos. O custo de cada uma fica em torno de R$ 1 mil. Os maiores produtores e duas cooperativas já adquiriram as suas. “As armadilhas, o trabalho dos caçadores e as atividades de educação ambiental são as melhores formas de controle do javali”.

Depois de conhecer o trabalho da Polícia Ambiental, o secretário João Alberto recebeu um documento a ser entregue ao governador Raimundo Colombo e ao secretário-adjunto de Estado da Agricultura e da Pesca, Airton Spies. “Vou levar ao conhecimento do governador e da equipe técnica para analisar a melhor maneira de o Governo do Estado ser parceiro desse importante trabalho”.

 

Texto e fotos: Catarinas Comunicação