O prefeito Antônio Ceron, na campanha do ano passado, prometeu que iria visitar os postinhos de saúde de Lages todos os dias em que estivesse na cidade. E faria isso antes do expediente.  Até agora, palmas para ele. Está cumprindo à risca o prometido. E levando junto também a Secretária Municipal de Saúde, enfermeira Odila Waldrich. 

Estamos recebendo diariamente fotografias dessas visitas. E também matérias falando dos problemas que são encontrados ou que são demandados pelas várias unidades básicas de saúde. 

Ceron disse várias vezes que  nem sempre se precisa de dinheiro para resolver os problemas e questões. Eu concordo com ele. Mas, pergunto: o prefeito e sua secretária de saúde irão conseguir resolver todos os problemas que encontram nos postinhos? E tudo o que o pessoal está  pedindo em termos de medicamentos, mais servidores, reformas, compra de equipamentos, atendimento em horário ampliado, etc?

A menos que o amigo do Ceron, o governador Colombo,  despeje em Lages um caminhão de dinheiro - para que Ceron e a Odila providenciem tudo o que falta na saúde - dificilmente essas demandas serão resolvidas. Simplesmente porque demanda atendida gera nova demanda (cada vez mais complexa e custosa). Temo que  com o tempo, essas visitas vão cair na vala comum e virar problema para os gestores. 

Aliás, eu pergunto: em qual secretaria não haveriam demandas em qualquer bairro que o prefeito fosse visitar? Temos ruas esburacadas, com o asfalto detonado, sem calçadas, ruas sem pavimentação e cuja poeira inferniza a vida das pessoas; temos dificuldades com as roçadas em ruas e avenidas (as equipes não conseguem dar conta de tanta demanda e mato que cresce), temos problemas nas escolas (falta de vagas em creches, por exemplo), alguns prédios com problemas de segurança, vandalismo e estrutura deficitária; não há saneamento básico em dezenas de bairros; em outros, a água da Semasa não chega quando o consumo é muito grande. Temos falta de emprego. Tem gente passando fome. E por aí afora. 

Então, repito: Ceron e Odila fazem bem em visitar e conhecer todas as unidades básicas de saúde. Mas, se com o tempo as demandas não forem sendo atendidas, isso vai se tornar mais problema do que solução. E essas visitas também poderiam ser feitas em outras áreas. Afinal, saúde é um dos aspectos de uma administração. E não o todo. 

Loreno Siega - Revista Visão - Fotos: Greik Pacheco/Divulgação