No Jornal do Almoço de ontem (13/02) a RBS-SC, falando sobre emprego público, repassou alguns números de Florianópolis que me  deixaram perplexo. 

- De cada três trabalhadores com carteira assinada que existem na "Ilha da Magia", um deles é funcionário público (Estadual, Municipal ou Federal). 

- Ao todo, são mais de 80 mil servidores públicos que vivem em Florianópolis. 

- São mais de 26 mil servidores públicos apenas do Estado de SC. E esses recebem um salário médio de R$ 8.000,00 por mês. Só com estes - e apenas com o salário (sem considerar todos os demais encargos e benesses), o Governo do Estado gasta a "bagatela" de R$  208 milhões/mês. Ou R$ 2,7 bilhões por ano (considerando 13 salários para cada um deles por ano). 

Eu queria só saber onde atuam tantos servidores públicos assim naquela ilha da magia. Isso que o ex-governador LHS criou a tal da "descentralização", com mais 36 SDRs (agora ADRs), com centenas de outros "apadrinhados". 

Ou seja, o dinheiro de nossos suados e sofridos impostos estão na verdade é beneficiando uma pequena casta de privilegiados. E, para a grande maioria dos "relés mortais", que residem no continente e nos demais 294 municípios, não tem dinheiro para saúde, educação de qualidade, rodovias e outras coisas mais. 

O Governo do Estado reclama de comprar medicamentos para aqueles cidadãos que tomam remédio diariamente e que não têm dinheiro para isso. As pessoas entram na Justiça, ganham esses remédios. E o Estado não fornece. E tudo fica por isso mesmo. Aí a gente vê números como esses. Que absurdo, gente. Não dá para ficar quieto. 

Loreno Siega - Revista Visão