No dia 19 de janeiro, no começo da tarde, recebíamos a notícia da morte do então Ministro do STF, o catarinense Teori Zavascki, que teria acontecido num "acidente" de avião, ocorrido em Búzios, litoral norte do Rio de Janeiro. 

Naquela tarde - e nos dias seguintes - 80% dos brasileiros ficaram incrédulos com aquele "acidente". Afinal, Teori Zavascki era o responsável pela Lava Jato no STF. E na semana seguinte tornaria públicos todos os depoimentos dados pelos Executivos da empreiteira Odebrecht. 

Difícil acreditar que aquela queda de avião foi acidente. Várias manifestações vieram à tona exigindo uma profunda investigação a respeito. 

Passado menos de um mês daquela data, misteriosamente, ninguém mais fala em que pé andam as tais investigações a respeito do tal acidente (até por que um dos filhos do morto havia postado em redes sociais a existência de ameaças ao pai). Quando cai um avião de carreira, ficam meses dando notícias sobre as  possíveis causas. A queda do avião da Chapecoense, por exemplo, chegava a dar nojo de tanto que falavam nas tais causas. 

E a morte do Teori Zavascki, relator da Lava Jato? Foi acidente mesmo? Ou esse acidente foi provocado? Cadê a imprensa investigativa?

Morreu o Teori, já nomearam um político para o cargo dele (Ministro de Temer, que integra os quadros do PSDB). O tal novo ministro (que vai passar facilmente pela sabatina no Senado, já que a comissão que fará isso tem apenas 10 senadores delatados na Lava Jato), é acusado inclusive de ter feito plágio em sua tese de doutorado. E, no começo de carreira, defendeu o PCC. 

Voltamos a perguntar: Teori morreu ou foi morto? Cadê os resultados das investigações?

Loreno Siega - Revista Visão