Pelo visto, pouco ou nada adiantaram até agora as mais de 30 visitas que o prefeito Ceron e a Secretária de Saúde de Lages fizeram no começo desta administração a todas as unidades básicas de saúde do município. 

Jornal Correio Lageano, Rádio Clube e blog do colega Edson Varela estão noticiando nos últimos dias que estão faltando medicamentos básicos desde o começo do ano na Farmácia Básica, além de materiais de primeira necessidade como fitas para testes de glicose e outras coisitas mais. Pior: a Rádio Clube também está informando e dando voz às comunidades, todos os dias, em seus microfones. E a maior queixa é da falta de médicos nas unidades de saúde. Será que em quase 90 dias no comando da administração não poderiam ao menos ter efetuado uma compra emergencial de remédios? (Para isso, devidamente justificado, não se precisa de licitação....)

Varela informou inclusive que a Secretaria de Saúde de Lages poderá até ser obrigada a devolver dinheiro à União com relação à famigerada obra da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), obra que se arrasta há anos ao lado da rodoviária e que parece não ter mais solução. 

Então, eu me pergunto: pra que prometer aquilo que se sabia não teria condições de ser cumprido? Pra que iludir o povo - e as equipes das unidades básicas de saúde - indo em cada um destes "postinhos" para recolher uma extensa lista de reivindicações se depois tudo isso ficaria no esquecimento?

Alguns dirão, com razão, que é muito cedo ainda para fazer esse tipo de cobrança à nova administração. E a gente até concorda com isso. Mas, então, por que fazer todo esse alarde e promessas? Será que o Ceron e a Odila Waldrich terão coragem de começar uma segunda rodada de visitas nos postinhos logo mais?

Loreno Siega - Revista Visão