Passados quase 120 dias da nova administração de Lages, temos alguns avanços. Muita expectativa. E alguns retrocessos. 

- As dívidas de curto prazo deixadas, por exemplo, estão sendo honradas. E isso é uma boa notícia e um avanço. 

Na saúde pública, por exemplo, prioridade das prioridades do novo prefeito, as queixas são diárias e constantes. Faltam remédios, por exemplo. E  médicos em várias unidades de saúde. A queixa do povão pelas demoras nas consultas com especialistas continua. E não se tem muita esperança que a situação vá melhorar (o prefeito visitou todos os postinhos, mas não voltou mais lá, como prometido). 

Nas escolas, o Ceron visitou uma delas (duas vezes). E parece que não fez a visita nas outras unidades. 

A limpeza da cidade não está lá essas coisas. E o mato toma conta em várias ruas e avenidas (a Av. Belizário Ramos, por exemplo, tem mato em vários locais em suas laterais, sem falar em outras ruas e avenidas da cidade). 

A questão do Estacionamento Rotativo Área Azul piorou. Vc não encontra ninguém quando precisa comprar um cartão. E o sistema digital (que era um avanço) foi sepultado pela volta dos bloquinhos de papel (horrível). 

Afora isso, perguntamos:

- Quando mesmo o Governador Colombo fará a assinatura da ordem de serviço para a revitalização do Centro?

- Quando vai autorizar o início das obras de revitalização do Mercado  Público?

- E o asfalto até a Coxilha Rica? O Iphan vai ou não autorizar o início dos trabalhos?

- E o "imbróglio" da UPA, ali perto da Rodoviária?

- E o projeto do novo Centro Administrativo? Alguém está tocando o projeto? 

- E a retomada das obras na Av. Ponte Grande? Quando?

IMPORTANTE: A gente torce, quer muito e faz  o possível - para o desenvolvimento de Lages. Mas não vamos esquecer  das promessas feitas em campanha. E cobrá-las não é torcer para o touro. É simplesmente lembrar que promessa é dívida.