Nesta sexta-feira (05/05), no começo da tarde, realizou-se a primeira viagem com o trem Maria Fumaça, num pequeno trecho de 11 Km de ida e mais 11 Km de volta, até a estação Berlandi, próximo à cidade.

 

Uma hora antes da partida, que estava prevista para às 13 horas mas que efetivamente aconteceu depois das 14 horas, já havia gente esperando. Mas, alguns problemas com a identificação dos passageiros (havia pouca gente para isso) fez com que a saída demorasse bem mais do que o previsto. E, aos poucos, a antiga estação ferroviária de Lages, no bairro Ferrovia, foi enchendo de gente.

Num dos vagões, foram os profissionais de imprensa, além de algumas autoridades, convidados pela Secretaria de Turismo de Lages. E  nos outros seis vagões, gente de todas as idades, todos querendo dar seu primeiro passeio de trem.

A Maria Fumaça veio especialmente a Lages em função das  festividades alusivas aos 172 anos do Batalhão Ferroviário, comemoradas nesta semana.

O trenzinho em questão levou 15 anos para ser restaurado e recuperado. Máquinas a vapor iguais a essa só existem três no Brasil. Uma está num museu. A outra está numa praça (como decoração). E essa foi totalmente recuperada. E agora fará passeios pelo Sul do Brasil, em ocasiões especiais  (fica sediada em Rio Negrinho).

A máquina que puxa os vagões foi fabricada em 1950, nos Estados Unidos. Pesa 120 toneladas. E foi trazida ao Brasil de navio. Ela consome 22 mil litros de água a cada 60 Km de  trajeto, além de 12 metros cúbicos de lenha (o fogo aquece a água, que produz o vapor, que faz os eixos da máquina se movimentarem e puxarem os vagões).

A Maria Fumaça pertence à Associação de Preservação Ferroviária - Regional de Santa Catarina, com sede em Rio Negrinho. E os valores arrecadados com as passagens, assim como a venda de salgadinhos, doces, bebidas e lembranças durante o passeio, ajudam na manutenção da máquina e dos funcionários.

Um belíssimo e divertido passeio. Pena que foi apenas uma vez (haverá passeios ainda neste sábado e domingo, em vários horários).

Bem que Lages poderia reativar esse tipo de atrativo, com viagens uma ou duas vezes por semana até Vacaria ou até a Coxilha  Rica, num roteiro especialmente criado para isso  (quem sabe as CDLs de Lages e de Vacaria, com apoio das respectivas prefeituras,  não se unam em torno deste projeto!!!!).

 

 

Texto e Fotos: Loreno Siega – Revista Visão