O Governador Raimundo Colombo, o prefeito Antonio Ceron e o vice-prefeito Juliano Polese, além de diversas outras autoridades,  prestigiaram, na manhã desta sexta-feira (12/05), no Parque de Exposições Conta Dinheiro, o Seminário Estadual de Lançamento do Programa Desenvolvimento da Bovinocultura de Corte Catarinense. O evento foi  coordenado pela Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc), em parceira com o Sindicato Rural. 

Um dos momentos mais esperados do evento, além das palestras de técnicos da área da Bovinocultura de Corte, foi o lançamento do avançado programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) em pecuária de corte sob o apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/SC) e do Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequena Empresa (Sebrae/SC). “Cada produtor tem a sua propriedade como se fosse uma indústria, que gera empregos e renda. Recolhemos impostos para os órgãos competentes e o que considero mais importante; produzimos alimentos para toda a população”, comentou o presidente do Sindicato Rural de Lages, Márcio Pamplona.

O governador Raimundo Colombo lembrou que o evento proporciona a experiência de ouvir bons técnicos e de acompanhar excelentes palestras sobre a pecuária. “Enquanto outros Estados aumentam seus impostos, aqui seguramos os nossos índices da carga tributária para incentivar e não prejudicar a classe empresarial e aos produtores rurais. Somos o quarto maior produtor de leite do país, e neste mês de maio comemoramos dez anos de Estado livre da febre aftosa”, ressaltou o governador.

O programa

O programa ATeG em Pecuária de Corte atende, atualmente, 550 produtores divididos em 22 municípios das regiões do Planalto Serrano, Oeste, Norte, Meio Oeste e Extremo Oeste. São eles: Água Doce, Anita Garibaldi, Bom Retiro, Bom Jardim da Serra, Campo Belo do Sul, Campo Erê, Campos Novos, Capinzal, Chapecó, Correia Pinto, Curitibanos, Lages, Major Vieira, Otacílio Costa, Papanduva, Rio Negrinho, São Joaquim, Santa Cecília, São José do Cerrito, São Miguel do Oeste, Urubici e Urupema.

O programa não tem custos para os produtores rurais. Os pecuaristas atendidos recebem uma visita técnica e gerencial por mês pelo período de dois anos. As visitas técnicas e gerenciais têm foco na transmissão de conhecimentos relacionados à gestão das empresas rurais e técnicas de manejo voltadas às atividades pecuárias. “Em cada propriedade são levantados dados e identificadas as melhorias que podem ser aplicadas. Durante as visitas, os técnicos de campo repassam orientações sobre cálculos de custos de produção e indicadores de melhorias. Levam para os produtores informações importantes para aplicar e ampliar, cada vez mais, a produtividade”, salienta o presidente da Faesc, José Zeferino Pedrozo.

Todos os dados gerenciais coletados são lançados em um software utilizado nacionalmente e que abriga informações completas de propriedades de todo o País.

Fonte: MB Comunicação - Fotos: Greik Pacheco e Catarinas Comunicação