Duas empresas estão habilitadas no processo licitatório para as obras da Avenida Ponte Grande, no que compreende ao projeto de pavimentação de trecho de acesso ao condomínio, a partir do ponto de cruzamento das Avenidas Antonio Ribeiro dos Santos e Cirilio Vieira Ramos, no bairro da Várzea, obra orçada em cerca de R$ 800 mil reais.

Na sexta-feira, 12, acabou o prazo de recursos da primeira fase de habilitação das empresas, sendo que não houve nenhum impedimento. Já nesta terça-feira, 16, às 17h, serão abertos os envelopes com propostas de preços das duas empresas habilitadas. Depois disso, abre-se, novamente, prazo recursal de cinco dias úteis. Somente depois desses trâmites legais é que poderá ser concluída a licitação.

Para que o condomínio possa ser entregue aos moradores que tiveram que deixar suas casas localizadas às margens do rio Ponte Grande, por onde passará a Avenida, será preciso concluir as obras de saneamento básico, assim como a construção da ponte e a pavimentação asfáltica de acesso ao residencial. “A obra de construção da ponte será licitada posteriormente”, afirma o secretário de Planejamento e Obras, Clayton Bortoluzzi.

O secretário explicou que existem recursos garantidos para a implantação da rede de saneamento (obra já licitada), ao longo de toda a extensão da projetada Avenida Ponte Grande. Em setembro de 2016, foi assinada a ordem de serviço para a implantação desta rede, mas sem que houvesse a autorização da Caixa Econômica Federal, órgão fiscalizador dos projetos, e fiel depositária das verbas repassadas pelo Governo Federal. “A gestão deste projeto não foi adequada e agora, em 2017, estamos fazendo as devidas adequações”, resume o secretário.

Bortoluzzi disse que a Caixa Econômica Federal deu entrada na Secretaria de Planejamento e Obras para a troca de nome do condomínio. Antes denominado de Gralha Azul, agora passa a se chamar Ponte Grande.

Com a conclusão do projeto de saneamento da Avenida Ponte Grande, somando-se as demais obras de esgotamento sanitário em execução ou já concluídas, como por exemplo, as do Complexo Araucária e as redes de esgoto implantadas em vários bairros, Lages terá uma cobertura de cerca de 60 a 70% da área urbana.

Fotos: Ary Barbosa de Jesus Filho - Texto: Ascom/PML