Somente nos primeiros quatro meses de 2017 mais de 120 lixeiras públicas foram alvo de vandalismo. A maioria delas, lixeiras de plástico, azuis, com o logotipo da Secretaria Municipal de Serviços Públicos e Meio Ambiente, as quais são fixadas às margens de ruas, avenidas, em praças e logradouros públicos para depósito de pequenas embalagens de papel e garrafas pet.

“Todas elas já foram repostas, pois são materiais necessários para a manutenção da cidade limpa”, garante o secretário municipal Euclides Mecabô (Tchá-Tchá). “Porém, diante deste vandalismo, cabe a nós conclamar a população para que preserve o patrimônio público”, completa.

O secretário disse que o vandalismo acarreta em prejuízos ao município. Segundo ele, o dinheiro que é gasto para a reposição destas lixeiras poderia ser investido nos setores de saúde e educação, sem falar na série de transtornos gerados pelas depredações. Um deles é a perda de tempo, pois, sem lixeira os garis têm de trabalhar dobrado.

Ascom/PML - Foto: Carlos Becker