A regulamentação do queijo artesanal serrano está praticamente pronta. E é possível que o governador Raimundo Colombo assine o decreto de regulamentação nas próximas semanas. A informação foi transmitida pelo deputado Gabriel Ribeiro (PSD) aos produtores e técnicos que lotaram o plenário da Câmara de Vereadores de Lages na noite chuvosa desta quinta-feira.

O Legislativo promoveu uma sessão especial, proposta pelo vereador Pedro Figueredo, para apresentar detalhes da lei aos produtores, que estão adaptando suas queijarias à lei estadual, de autoria do deputado Gabriel Ribeiro. A lei existe desde setembro do ano passado, e a regulamentação dirá como será sua execução.

Com base em mais de 700 cadastros, estudo da Epagri aponta que a venda do queijo serrano produz uma renda média de R$ 14.346,00 por ano. Em Santa Catarina há em torno de duas mil famílias de queijeiros, e no Rio Grande do Sul, que criou lei semelhante neste ano, há 1,5 mil produtores.

Na sessão especial, a extensionista Andrea Schlickmann, da Epagri, fez histórico da produção do queijo artesanal serrano, e elencou algumas características do produto: feito a partir do leite cru; é usado leite de vaca de corte ou mista; o gado alimenta-se em campo nativo e que a receita praticamente não sofreu alteração em mais de dois séculos.

Há três queijarias legalizadas e umas três dezenas buscando adequação à lei. Conforme Andrea Schlickmann, os produtores querem se legalizar, mas isso é feito de acordo com a capacidade de produção de cada um.

O autor da lei destacou que ela veio para fortalecer a cadeia produtiva do queijo artesanal. “A lei é para os pequenos produtores rurais e tem ajudado no sustento das famílias”, ressaltou o deputado Gabriel Ribeiro. O parlamentar frisou ainda que o leite ganha mais valor quando é transformado em queijo.

 

Tarcísio Poglia - Assess. de Imprensa deputado Gabriel Ribeiro