Ao ver matéria publicada neste blog sobre a quantidade exagerada de lixo que se vê nas águas do Rio Carahá (VEJA AQUI), que subiram muito em função das enchentes, a jovem Erica Passig Bini enviou um texto a respeito. 

Reproduzimos aqui, com autorização da autora:

Carta aos Lageanos - de nascimento, de morada e de coração.*

Acordamos sob céu cinzento e sem chuvas, mas deitados na lama. 
Foram dias a fio de chuva intermitente e um fim de semana de toró ininterrupto. Ninguém saiu completamente seco. Durante este tempo, eu vi muita reza - a Deus, à padroeira da cidade, a São Pedro... Acompanhei a busca dos horários de partida e pedidos de aluguel da Arca (sim, a de Noé); e vi MUITA gente responsabilizando Poseidon, a administração pública, o posicionamento dos trópicos, as margens estreitas dos rios e os ventos. Curiosamente, mas como esperado, não vi ninguém assumir sua parcela de culpa... 


Você se lembra daquela bala, na saída da loja, que virou papel sem lixeira por perto? É, o chão notou e acolheu o descarte disfarçado de queda acidental. Sabe aquela propaganda de dentista ou farmácia que você recebeu no calçadão e não achou melhor uso que colorir o mosaico preto e branco do caminho? Sabe quando os sacos de lixo que você coloca na rua fatalmente acabam destroçados e você não recolhe os restos? ... Sabe quantas pessoas pensam que pequenas ações assim não fazem mal? Você entende que o fato de que muitos fazem errado, não diminui o estrago do seu erro? 


Hoje é o Dia Mundial do Meio Ambiente (05/06). Não é feriado, não é estrelinha nos calendários e não é nem lembrado, na maioria das vezes. Mas é preciso que comecemos, nem que a partir desta data, a pensar nas nossas ações e em quanto elas influenciam o meio em que vivemos.

 
É preciso que cada um cuide do que é SEU, do que é DO OUTRO, do que é DE TODOS. Cada árvore que você fez o vizinho cortar pra não ter de varrer as folhinhas em frente de casa, faz diferença. Cada canteiro destruído por pura falta de respeito, faz diferença. Cada saquinho plástico, de pipoca ou algodão doce, jogado no Tanque, faz diferença. Cada copo de quentão, chocolate quente, melzinho, ou sei lá mais o quê, jogado no chão ou largado sobre muretas, depois de bebido, faz diferença. 


Toneladas de lixo são retiradas dos rios da cidade, todos os anos, e os moradores continuam culpando "o outro", pelos danos. Não adianta rezar, secar o nariz e jogar o papel higiênico no chão da igreja. Não adianta hashetaguear FORÇALAGES e não fazer a sua parte! Não adianta!


É muita chuva? É! Grande parte é culpa do próprio homem? É! É algo que vá mudar? Provavelmente só pra pior, se não começarmos a mudar nossos hábitos... É possível amenizar? Com certeza!
Modificar pequenas e grandes ações depende unicamente de nós. CUIDE. PRESERVE. RECICLE. PENSE: VOCÊ É PARTE DESTE SISTEMA VIVO.


*Encontrou limpo, mantenha. Encontrou sujo e tem como limpar, recolha.
*Pilhas, eletrônicos, remédios e material médico têm descarte diferenciado! Busque os postos de recolhimento.

*Gorduras não devem ser jogadas pelo ralo. Há, em Lages, um serviço de disk, para recolhimento. Guarde em vidros ou garrafas pet.
*Separe o lixo reciclável do lixo orgânico.
*Use menos plástico, sempre que puder.
*Cuide do seu entorno, sempre.
*Proteja e avise o funcionário da coleta, quando houver vidro quebrado. (Humanidade também precisa de revisão.)
*Não destrua patrimônio público. A manutenção é paga por você, por mim e todos nós. (Para o decepcionante espírito destruidor que habita muitos lageanos.)

 

P.S. Para além disso, agora é hora de sair do virtual e ir pra rua em apoio aos parentes, vizinhos, conhecidos, conterrâneos e desconhecidos. Doe o que puder, ajude como puder. Muitas pessoas foram atingidas de formas diferentes. Mas uma mão amiga, disposta a empurrar um rodo, é sempre bem-vinda. FAÇA MAIS.}