Me perguntaram por que sou a favor da greve geral se sou empresário. Respondi o seguinte:

- Se eu fosse funcionário público, tivesse estabilidade no emprego e  um salário de R$ 15 mil para cima (juízes e procuradores, por exemplo, ganham quase todos eles acima do teto máximo - que hoje é de R$ 33,5 mil), com certeza não estaria preocupado com a Reforma da Previdência e Trabalhista (embora, como ser humano social que sou, devo pensar também nos outros, assim como nos meus filhos já que isso vai impactar também sobre o futuro deles). 

Mas, como estou entre os mais de 95% da população que não faz parte desta  casta de privilegiados, e meus ganhos mal dão para pagar minhas continhas do mês, tenho sim de me  preocupar com meu futuro, com os direitos que querem tirar dos trabalhadores, com a idade mínima para aposentadoria e com o futuro do Brasil. 

- Se os governos não sentirem que o povo está insatisfeito e indignado,  não dão bola. E continuam "mandando e desmandando" (sem falar em "roubando" e fazendo safadezas lá no poder). 

- Portanto, povo na rua, protestos, greves, manifestações..... Para o "Temeroso" sentir um pouco na pele o que é não ter sossego (coisa que ele  fez lá atrás contra a Dilma, usando para isso o famigerado e corrupto do Eduardo Cunha). 

- Temos hoje 13,8 milhões de desempregados no Brasil. Os gastos com saúde, educação e investimentos foram "congelados" por 20 anos. O Governo entregou e está entregando de mão beijada todas as nossas riquezas para o capital internacional (de graça). Estamos pagando rombo atrás de rombo nas contas públicas. E hoje temos um Presidente investigado por corrupão passiva, obstrução de justiça e formação de quadrilha. Então, não estou nem um pouco satisfeito com essa situação. E quero mudanças, já. 

Tá respondida a pergunta?

Loreno Siega - Revista Visão