As Leoas da Serra começaram bem a luta por vaga à final da Copa do Brasil de Futsal Feminino. No sábado (05/08),  em Diamantino/MT, há 2.200 Km de Lages,  elas venceram as meninas do Diamantino Esporte Clubem ( Uiapuru ) por 4x1. O confronto,  válido pelo jogo de ida da semifinal da competição nacional,  aconteceu no ginásio Darcy Capistrano e agora as Coloradas estão próximas da tão sonhada final.

O segundo duelo será disputado no próximo sábado, dia 12 de agosto,  no Jones Minosso e para isso acontecer basta um empate. Se o grupo comandado por Rafaela Nicolete passar as diamantinenses,  a decisão da temporada será em casa. Contra a equipe a e Unifor/Nacional Gás de Fortaleza/treinada por Wilson Saboia, que também comanda a Seleção Brasileira ou contra o Iranduba de Manaus/AM. São cinco vitórias  marcando uma campanha sólida. Marcou 30 gols, e levou dois, sendo o melhor ataque disparado da competição.

Qualquer que seja a adversária das Leoas,  o caminho a ser percorrido será ainda mais longo do que elas fizeram  para chegar no Mato Grosso. Se mais de 80 horas (entre ida e volta)  foi cansativo,  imagina viajar para o Ceará ou Amazonas. 

A outra semifinal, entre Iranduba (AM) e Unifor/Nacional Gás (CE), será disputada  nesta quinta-feira (10/8), na Arena Amadeu Teixeira, em Manaus.

O outro lado do jogo

As Leoas da Serra estão cheias de sonhos. A vontade de brilhar fazem-nas enfrentar qualquer desafio. Até ficar mais de 80 horas dentro de um ônibus (contando ida e volta). Isso mesmo! Todo esse tempo para cumprir um dos compromissos mais importantes das suas carreiras. A garantia de vaga à final da Copa do Brasil de Futsal pode projetá-las, quem sabe ao mundo. A exemplo de Amandinha,   que teve os holofotes virados para ela ao ser considerada por três vezes seguidas a melhor do mundo. Ela e as 11 atletas junto com a comissão técnica passaram trabalho até chegar a Diamantino, onde sem cerimônia encaminharam a equipe à decisão da Primeira Copa  da CBFS.

A viagem começou bem cedinho na última quinta- feira. Um ônibus leito superconfortável com banco que acomoda bem o passageiro. Uma garoa fina acompanhou as 12 atletas, num friozinho que convidava para retomar o sono que foi interrompido no meio da madrugada para a viagem. As primeiras horas foram tranqüilas, opções variadas para se entreter: um festival acorda, dorme, levanta, espia o celular, joga um pouquinho, vê Séries, ouve música, confere as mensagens, faz selfs, risadas muitas, conversa então, aos montes, cruzadas, paralelas e até do fundo do ônibus com o pessoal da frente e principalmente jogos de baralho. A maioria delas nunca  fez uma viagem tão longa e tudo era festa. Até o cansaço chegar ,as opções do que fazer deixarem de ser interessante e para melhorar, a notícia de que o banho estava vetado. Afinal estávamos atrasados e a temperatura subindo. Saimos de seis graus e nos deparamos com 34 graus. Reclamações? Uma ou outra, mas o bom humor imperando em face aos contratempos e tudo a toda hora virava piada. Vez ou outra alguém perguntava: Cadê a cidade? Ela existe? Fica no Brasil?, enquanto outras observavam de longe torcendo para que o destino estivesse perto Será que ainda sei caminhar? Alguém soltava lá da frente.    

Numa altura da viagem a Amadinha conta para o grupo que há viagens piores em ônibus convencional porque exige revezamento com a colega ao lado na hora de esticar as pernas por causa do pouco espaço entre os bancos. Pelo menos o ônibus das Leoas davam essas condições e nem sempre elas tem escolhas. Esse é o trabalho delas. A quadra é a casa delas e nós, a torcida somos os irmãos, filhos de uma terra que elas aprenderam a amar Cansaço passou, agora nova saga, driblar o calor e a concentração e a volta par casa.

Texto: Repórter Begair Godói - Do Correio Lageano (que acompanhou a delegação de ônibus até Diamantino).