Na prática, o Projeto Reuso já está em funcionamento. Porém, ganhou novo impulso a partir do lançamento oficial realizado na Prefeitura, na manhã desta quarta-feira (16). Com a participação e apoio integral do setor da construção civil, o prefeito Antonio Ceron, o vice-prefeito Juliano Polese e o secretário da Assistência Social e Habitação, Samuel Ramos, reforçaram o objetivo da proposta. A ideia, com a reutilização de materiais como sobras de tintas, portas, janelas vasos sanitários, telhas, pias, material elétrico, entre outros, é a de favorecer a demanda de famílias em situação de vulnerabilidade social. “Para quem estiver construindo, a intenção é repassar os materiais imediatamente. Já temos, por exemplo, 300 portas doadas por uma empresa”, disse Samuel.

A concepção do projeto partiu da Secretaria de Assistência Social e Habitação, em parceria com as Secretarias de Serviços Públicos e Meio Ambiente, Planejamento e Obras, Desenvolvimento Econômico, Defesa Civil, e principalmente, com a iniciativa pública privada, através da participação do Sindicato da Construção Civil (Sinduscon) e as empresas associadas. Em Lages, já existem mais de 10 mil pessoas cadastradas à espera da logística de distribuição. A origem dos materiais de reuso virá de demolições ou reformas de edificações de qualquer natureza. Conforme disse o prefeito AntonioCeron, o Projeto Reuso ganha dimensão a partir do envolvimento da sociedade, sem marca registrada, a não ser, Lages. “É algo que precisa ter prosseguimento, e não deixar se perder pela falta de envolvimento. Porém, cabe à Prefeitura fomentar e perenizar a questão” ressaltou o prefeito Ceron.

Economia e meio ambiente

Ainda conforme as explicações do secretário Samuel Ramos, o Projeto também ajuda na economia, com a redução de gastos do Município. Por outro lado, ao se desfazer dos materiais que possam ser reutilizados, a sociedade estará também dando um destino correto e ajudando a diminuir a necessidade das famílias carentes. O meio ambiente também passa a ser beneficiado. Pois, muito entulho é despejado erroneamente em terrenos baldios, e a responsabilidade do recolhimento é da Prefeitura. “Ganha a comunidade carente que terá na construção de suas habitações, materiais conservados, e o Município ganha na conservação e preservação do meio ambiente”, acentuou o secretário de Serviços Públicos e Meio Ambiente, Euclides Mecabô.

Fotos: Greik Pacheco