O Governo Colombo, que não se cansa de fazer propaganda de seus feitos na televisão, no rádio e em outros veículos, tem um déficit de quase R$ 800 milhões no setor de saúde. 

Não bastasse a falta de medicamentos para tratamento de câncer em vários locais, ainda não compra os remédios de quem ganhou na Justiça o direito de receber seus tratamentos de graça (Medicamentos Judiciais), além do repasse a vários hospitais que não estão sendo feitos, sem falar nos serviços contratados e realizados por empresas que estão sem receber (caso da Orcalli, por exemplo, que está há sete meses sem receber pelos serviços de lavagam da roupa de toda a rede estadual hospitalar). 

Fruto dessa situação caótica na saúde, recentemente o Governo recorreu à ajuda de empresas para pagar combustível para as viaturas do Samu - E para pagar outras despesas correntes como a compra de remédios judicializados. Parece que conseguiu R$ 500 mil por mês de doação das empresas para esses custos. 

Por outro lado, apesar desse caos na saúde, o Governo percorre regiões e municípios para fazer média com os prefeitos dizendo que vai repasar R$ 700 milhões para o Fundam II (dinheiro a fundo perdido aos municípios). Esses recursos, é bom que se diga, virão de financiamento junto ao BNDES ou Banco do Brasil. E quem vai ter de pagar será o próximo governador. Ou seja, a saúde está um caos (sem dinheiro). O Sistema Penitenciário, nem se fala. E Colombo faz média com os prefeitos deixando dívidas volumosas para o próximo governador (e obtendo o seu objetivo que é se eleger senador em 2018).

Loreno Siega - Revista Visão