A BR 116 é uma das rodovias mais importantes do Estado, por onde trafegam milhares de veículos todos os dias e é imprescindível sua duplicação para melhor trafegabilidade e segurança. Esta tem sido uma das bandeiras da Associação Empresarial de Lages (ACIL), que tem acompanhado o andamento do projeto de duplicação da rodovia.  Atendendo um convite da ACIL, o diretor superintendente da Autopistas Planalto Sul, Cesar Sass, participou da reunião da entidade nesta segunda-feira, 25/09, quando repassou aos empresários informações sobre o andamento do projeto de duplicação.

O diretor da Autopista informou que o projeto funcional está em fase final e será entregue até dezembro próximo. Em seguida será realizado o projeto executivo que tem prazo de 12 meses para ser entregue. Segundo ele, está previsto para outubro próximo a validação do projeto funcional do trecho que compreende o perímetro de Lages. As obras previstas para este trecho são: duplicação de cerca de 10 km, compreendidos entre o km 238 e o km 248; construção de três passarelas, no Km 240, Km 246,0 e Km 247,8; construção de cinco interseções em desnível, sendo no acesso norte, entroncamento com a BR 282, acesso Avenida papa João XXIII, acesso sul e área industrial do Rio Caveiras; ruas laterais nos entornos das interseções, e especificamente do Km 245,0 até o Km 248,0, em ambos os lados. O início das obras estão previstos para março de 2019.

Sass também apresentou números referentes aos acidentes na rodovia. Comparado ao ano de 2016, o número de acidentes diminuiu 16,1% e as vítimas fatais também diminuiu em 23%. Ele explicou que estão realizando algumas ações de segurança em conjunto com a Polícia Rodoviária Federal. Como exemplo citou as operações Serra Segura para fiscalizar as condições de trafegabilidade dos veículo; de peso, que fiscaliza o excesso de peso e de produtos perigosos.

Com relação ao excesso de peso dos caminhões trafegando na rodovia, Sass comentou que só pode fazer uma fiscalização eficiente com balanças, pois nem sempre o peso que consta na nota fiscal é o peso real da carga. “Eu preciso da ajuda de vocês para combater o excesso de peso, peço que a ACIL encaminhe um ofício a ANTT solicitando a instalação de balanças na BR 116, no trecho de Santa Catarina”, falou ele. O presidente da ACIL, Sadi Montemezzo se comprometeu a encaminhar esse pedido.

 

Sheila Rosa - Gerente de Comunicação da ACIL