A música faz parte da vida de toda pessoa e a trilha sonora de momentos de tristeza, tensão, solidão, realização e superação varia ao longo de cada fase e decisões na vida. As múltiplas sensações advindas da combinação entre notas musicais, melodias e letras transpõem as reações físicas, chegam ao coração, servindo de inspiração. O Dia Internacional da Música, comemorado em 1º de outubro, foi lembrado nesta quinta-feira (28) em Lages com uma noite amplamente composta por apresentações de alunos da Escola de Artes Elionir Camargo Martins, e houve lotação dos 480 lugares do Teatro Municipal Marajoara. E teve quem não abriu mão de assistir, ouvir e aplaudir as performances mesmo em pé.

Crianças e adolescentes demonstraram os resultados talentosos, do aprendizado em sala de aula com sessões da Camerata de Violões, violino, canto coral e técnica vocal, musicalização infantil, teclado e acordeon/gaita-ponto.

O evento iniciou com a apresentação de algumas músicas interpretadas no piano pelo músico e produtor Antonio Lugon, como “Over the Rainbow”, “How Deep is Your Love”, da banda Bee Gees , “Como uma Onda no Mar” e “Garota de Ipanema”. Após, o público foi abrilhantado com a Camerata de Violões, com homenagens a Milton Nascimento e Astor Piazzolla, seguindo a programação da Escola de Artes. A musicalização infantil, por exemplo, “hipnotizou” a atenção da plateia com o desempenho de crianças com as canções “Mariana”, um xote, “We Will Rock You” da icônica banda Queen e “Asa Branca”, de Luiz Gonzaga.  

O vice-prefeito, Juliano Polese, prestigiou as apresentações e a evolução dos futuros artistas. “A arte que nos toca permite vivenciar diversas sensações. Que possamos multiplicar estas mensagens e os potenciais. Somente no polo do bairro Santa Mônica temos mais de 100 alunos, o que comprova a eficiência deste tipo de iniciativa. 

O superintendente da Fundação Cultural de Lages (FCL), Gilberto Ronconi, enfatiza que os cinco polos do Projeto Lages Melhor foram criados para que a artes chegue a todos os cantos da cidade. “A cultura deve estar sempre em movimento. E a música deve servir para demonstrar distintas capacidades de crianças, adolescentes e jovens.” Giba ainda ressaltou que no início deste ano, com a determinação da Lei do Marco Regulatório, foi lançado um edital de credenciamento para chamamento de profissionais para atuar junto à Escola de Artes. “Selecionamos este timaço que vocês estão vendo e estamos cada dia mais trabalhando para mostrar a música como um mecanismo de união, harmonia e paz.”

O diretor da Escola de Artes, Salésio Padilha, lembra que a apresentação das diferentes modalidades apareceram como uma mini-comemoração que simultaneamente servem como vitrine do trabalho dos professores. “Nestes cursos de música estão envolvidos em torno de 200 alunos. Além disto, contamos com os corais dos núcleos do Projeto Lages Melhor. Para nós é uma grande satisfação, pois temos grandes músicos conosco.”

Orgulho sem disfarce

O pai de uma das alunas do curso de acordeon, Ailton Souza da Silva, estava ansioso no início do evento, à espera de ver sua estrela preferida, a filha Maria Júlia Souza da Silva, de 15 anos, abrir o fole da gaita e mostrar todo seu talento no palco do Marajoara. Ele, a esposa Valneide de Fátima da Silva, a nora e o namorado de Maria Júlia, estavam ocupando um dos 480 assentos do Teatro, garantiram lugar cedo. Para assistir o espetáculo de forma confortável. “É bom demais estar aqui para ver ela. É emocionante”, conta o pai da garota, lembrando que ela participa das aulas há quatro anos. Ela também toca violão, mas o gosto pelo instrumento de ponto e teclas, “falou” mais alto. “Para a família é um orgulho imenso. Ela se apresentou neste Salão do Livro e é uma grande honra. A música é uma paixão para ela, mesmo que não tenhamos outros instrumentistas na família. É algo que está em seu sentimento”, confessa o pai da menina.  Para a família, uma apresentação ao vivo para tanta gente, apesar de dar um frio na barriga, se torna, sem dúvida, inesquecível pela sua beleza.

Celeiro de artistas

A Escola de Artes disponibiliza em torno de 15 cursos em artes, oportunizados gratuitamente à população. As opções são violão clássico, violão popular, violino, canto coral, técnica vocal, musicalização infantil, teclado, acordeon, balé, street dance, desenho, pintura em tela, teatro e curso de multimídia para manequins e modelos. Este é da Escola de Artes, porém desenvolvido junto à Praça do Centro de Artes e Esportes Unificados (CEU).

Atualmente estão beneficiados 810 alunos. Nos cinco núcleos do Lages Melhor - Habitação, Santa Mônica, Vila Maria, São Paulo/São Francisco e Guarujá - são aproximadamente 600 alunos. Rematrículas e novas matrículas serão abertas em novembro. O número de contato da Escola de Artes é 3224-8708. A Escola de Artes está situada ao lado da Praça João Ribeiro (Praça em frente à Catedral Diocesana) e funciona de segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 14h às 21h.

Fotos: Marcelo Pakinha - Texto: Ascom/PML