Padre Pedro Baldissera é deputado estadual pelo PT há três mandatos. Há seis anos, ele apresentou projeto na ALESC para acabar com a pensão vitalícia aos ex-governadores e, na morte destes, a suas esposas (viúvas). 

Atualmente, oito ex-governadores e três viúvas (caso da esposa  de Luiz Henrique da Silveira) recebem essa pensão vitalícia. No caso das viúvas, o salário é metade do atual vencimento de governador, hoje R$ 30,4 mil por mês (mais 13o.salário). 

Pois na tarde de hoje, passados 6 anos da apresentação do projeto na ALESC, os deputados aprovaram por unanimidade o fim do privilégio. Haviam 33 deputados no plenário. E todos votaram a favor. Fernando Coruja (PMDB), de Lages, foi o relator do referido projeto. 

Pelo acordo - e pela PEC aprovada - ficam preservados, no entanto, o salário dos governadores que já recebem a "benesse". E isso inclui Raimundo Colombo (pelo mandato anterior). A partir de Colombo, ninguém mais receberá essa regalia (coisa que nenhum outro estado da Federação tinha - e tampouco os ex-presidentes da República). A menos que Colombo vete o projeto (no caso, terá de se explicar muito à comunidade catarinense. E arcar com as consequências nas urnas, em 2018). 

Com isso, como qualquer cidadão comum, os ex-governadores terão de garantir sua sobrevivência depois que saírem dos cargos com seus próprios esforços (e não às custas do errário público - dinheiro de nossos suados impostos). Menos mal que em SC virou tradição os ex-governadores elegerem-se senadores (com mandato de 8 anos). Ou seja.... continuarão mamando nas tetas do contribuinte. E recebendo polpudos salários lá em Brasília (em troca de muitíssima pouca coisa útil à população). 

Estado gasta R$ 3,7 milhões por ano

 

Atualmente, oito ex-governadores e três viúvas recebem a pensão vitalícia em SC. São R$ 30,4 mil pagos a cada um dos ex-governadores e R$ 15 mil a cada uma das viúvas, totalizando R$ 288.768 por mês e R$ 3,7 milhões por ano – com o 13º salário.

Loreno Siega - Revista Visão - Foto: Divulgação