Com Lages mais uma vez no centro das atenções no esporte foi realizado o segundo dia de palestras durante o Seminário Interdisciplinar de Voleibol nesta quinta-feira (18), uma das atrações preliminares às disputas semi e finais da Copa Brasil de Vôlei Feminino, marcadas para a noite desta quinta e sexta (18 e 19), no Ginásio Jones Minosso. O ápice do dia foi a apresentação de um dos maiores campeões da história do voleibol, Bernardo Rezende, o Bernardinho. O treinador do Sesc/RJ falou de conquista e sustentabilidade, apostando numa abordagem de conteúdo afetivo e menos técnico. Baseado em histórias reais de grandes ícones da história, como o ex-presidente dos Estados Unidos, John Kennedy, e em mensagens metafóricas, Bernardinho prendeu os olhares e estabeleceu uma reflexão à plateia, que praticamente lotou o auditório da Associação Empresarial de Lages (Acil).

Entre os pontos esmiuçados esteve a construção do processo de liderança, em que a base é o respeito à integridade de valores éticos e morais. “O líder deve fazer a coisa certa. Autenticidade, saber ouvir, empatia e cumprir o que se promete também são essenciais no trabalho em equipe, bem como disciplina, humildade e resiliência”, ressalta Bernardo.

No misto de técnica e emoção, o técnico utilizou-se também de obras literárias para compor sua explanação - o livro “Arrume a sua cama: pequenas atitudes que podem mudar a sua vida... e talvez o mundo”, de William H. McRaven, um almirante aposentado da Marinha americana, ensina como as simples tarefas diárias podem transformar a vida das pessoas. “Hábitos de excelência devem ser desenvolvidos todo dia. E tudo conta neste processo”, reitera o treinador. Ele ainda dividiu as principais tensões na carreira e as mais difíceis decisões em finais de compeitções, a exemplo do corte de atletas, bem como vitórias e ranking, em que o Brasil é líder por vários anos consecutivos. “Chegar ao sucesso e depois tomar as ações para se manter sem cair na zona de conforto. Este é um desafio. De nada adianta talento sem obstinação. O coração e a entrega são fatores cruciais. Todos por um objetivo, engajados, unidos em equipe. Ego e vaidade fora do controle atrapalham, e muito. Todos têm sua importância até se chegar aos pontos”, propõe Bernardinho.  

Uma das partes de sua palestra homenageia o líbero Serginho, eleito o melhor do mundo em 2009 e 2016. “Trabalhamos 16 anos juntos. O líbero não pontua, é um apoiador. E no esporte não há nenhum atleta de menor importância. Por isto ele foi o melhor em dois anos”, reconhece, mostrando fotos especiais do atleta.  

Sobre o Ginásio Jones Minosso, Bernardinho reconheceu as boas condições da estrutura. “O Ginásio é ótimo. Nós já havíamos jogado contra Rio do Sul noutra época. Bacana poder ter uma competição dessa importância aqui, com as quatro principais equipes do Brasil. O espaço atende perfeitamente a uma competição de altíssimo nível.”

Como treinador, Bernardinho, 57 anos, é um dos maiores campeões da história do voleibol, acumulando mais de 30 títulos importantes em 22 anos de carreira dirigindo as seleções brasileiras feminina e masculina. Entre 2001 e 2017 foi o técnico da Seleção Brasileira de Voleibol Masculino, tendo conquistado dois ouros olímpicos (2004 e 2016), três Campeonatos Mundiais, duas Copas do Mundo, três Copas dos Campeões e oito Ligas Mundiais.

Em paralelo a sua passagem pela Seleção Brasileira de Voleibol Feminino, Bernardinho conquistou seis medalhas olímpicas consecutivas (de 1996, em Atlanta, a 2016, no Rio de Janeiro): dois bronzes, duas pratas e dois ouros. Como empresário, possui diversos empreendimentos, incluindo a maior rede de academias de América Latina, além de projetos sociais como o Instituto Compartilhar, que visa desenvolver jovens de comunidades carentes através do esporte.

Stefano e Renan

A tarde de quinta-feira abriu com a palestra intitulada “Evolução da Captação de Talentos e a Formação no Voleibol Italiano”, com o técnico do Camponesa/Minas Tênis Clube, Stefano Lavarini, estreante em Lages. O italiano fala português fluentemente e coleciona vitórias significativas como o Campeonato Italiano 2010-2011 e a Copa da Itália 2015-2016. O profissional italiano ressaltou aspectos técnicos relacionados a ataque, defesa, saque, passe, bloqueio, manchete, toque, corrida, velocidade, impacto, direção. Além de alto nível, domínio, profundidade, aderência, deslocamento, treino, categorias de base e qualidade física e técnica. “A palestra busca mostrar o que seria interessante da prática na Itália para o Brasil”, resume Lavarini.

Por fim, o ciclo de palestras, iniciado no dia anterior, encerrou com a palestra de Renan Dal Zotto, atual técnico da Seleção Brasileira de Voleibol Masculino, intitulada “Tecnologia no Voleibol”. Como atleta foi um dos maiores nomes do esporte nas décadas de 1980 e 1990, alcançando sucesso absoluto em quadras defendendo a Seleção Brasileira e clubes nacionais e italianos. Foi eleito para o Hall da Fama do Voleibol em 2015. Renan foi diretor de Seleções de Quadra da Confederação Brasileira de Voleibol, cargo que ocupou até os Jogos Olímpicos do Rio. Ministra palestras no Brasil e no exterior. O prefeito em exercício, Juliano Polese, prestigiou as palestras nos dois dias.

Profissionais e fãs

De Ascurra, o técnico de voleibol, Álvaro Paulino Possamai, tem a experiência de 30 anos como treinador da equipe feminina do município. Atua junto às categorias de base até 16 anos de idade. Disputa campeonato estadual e junto ao vôlei de areia, e entre as disputas estão os Joguinhos Abertos. De formação, tem uma pós em metodologia e treinamento de voleibol. Durante cinco anos, quando Bernardinho desenvolveu seu projeto em Curitiba, junto ao Rexona, Álvaro fez estágio com o próprio treinador em categorias de base, lado a lado do técnico Zé Roberto. “É uma motivação. O vôlei está sempre em inovação.”

Em Lages, ele comemora a oportunidade de receber orientações de grandes nomes do cenário nacional e internacional. “Em toda palestra absorvemos algo de importante a ser acrescentado no treinamento. São palestrantes top de linha e temos de aproveitar estes momentos especiais. Por isso vou assistir aos jogos à noite.” Gaspar e Balneário Camboriú, próximos a Ascurra, estavam representados.

Os professores de educação física, André Felipe Barth e Juliano Baldessar, viajaram de Bom Jardim da Serra para assistir às palestras. Baldessar faz parte do quadro de árbitros da Federação Catarinense de Vôlei (FCV) e tem experiência em disputas de Jesc, Olesc e Joguinhos. “Nós treinamos alunos da escola municipal em Bom Jardim, do sub-14 (Jesc). Estar aqui significa evolução, aprimoramento e busca de conhecimento”, salienta André.  

O trio de Joaçaba composto pelo treinador das categorias infantil e mirim, João Maria Luchesi; da pré-mirim, Madier Vidal, e o diretor de esportes da Associação Joaçabense de Voleibol (Ajov) e membro do Conselho Estadual de Esportes, Roberto Francisco Wesoloski, estavam na plateia. João atua no vôlei há 12 anos, e Madier há seis. “Estar em Lages ajuda na interação entre os técnicos e para nos atualizarmos sobre os grandes clubes, equipes de Superliga. O rumo do voleibol brasileiro se discute aqui”, destaca João. Madier lembra que este ano a categoria iniciante em Joaçaba será treinada por um nome bem forte. “Será o técnico César, que revelou a Nathalia Zilio”, finaliza.

Fotos: Marcelo Pakinha - Texto: Ascom/PML