O projeto "Lixo Orgânico Zero em Lages", do Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), em parceria com a Prefeitura, espera que, nos próximos dois anos, 40% da população do município realize a compostagem doméstica dos próprios resíduos orgânicos urbanos (lixo orgânico), alcançando 20 mil residências.

O projeto foi contemplado com R$ 985 mil em um edital do Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA), do Ministério do Meio Ambiente, selecionado em primeiro lugar dentre 300 propostas enviadas por municípios e consórcios intermunicipais de todo o País, em dezembro de 2017.

O edital é específico para ações voltadas para a compostagem de resíduos orgânicos. A Udesc Lages atuará como executora do projeto, que teve a Prefeitura como proponente.

O recurso permitirá a contratação de 25 bolsistas acadêmicos da Udesc Lages para a atuarem junto à comunidade durante 24 meses, além de material de divulgação, insumos, equipamentos e veículos, como bicicletas e triciclos elétricos para deslocamento das equipes.

O coordenador do projeto, professor Germano Güttler, do Departamento de Agronomia, explica que, ao invés de oferecer coleta seletiva, caminhões de transporte ou pátios de compostagem, a ideia é incentivar cada família a realizar a reciclagem do próprio lixo orgânico através do sistema de mini compostagem ecológica.

Segundo Güttler, uma área de um a dois metros quadrados é suficiente para que cada família possa compostar os resíduos orgânicos. O sistema pode ser usado em jardins, quintais e, até mesmo, em terraços e varandas de apartamentos e condomínios.

"Visamos a disseminação de milhares de pontos de compostagem residencial, objetivando a retirada dos resíduos orgânicos do circuito tradicional do lixo", afirma Güttler.

Mini compostagem já atinge 30% do município

O projeto contemplado pelo FNMA foi escrito pelo professor Germano Güttler, pelo acadêmico de Agronomia Carlos Augusto Antunes, e pela diretora de Meio Ambiente do município, Silvia Alves Oliveira. A execução contará com a participação da professora do Departamento de Engenharia Ambiental e Sanitária da Udesc Lages, Viviane Trevisan.

A proposta foi baseada em um projeto de extensão da universidade, iniciado em 2013, envolvendo, principalmente, escolas da rede pública, residências e instituições, em torno da mini compostagem dos resíduos orgânicos.

Algumas escolas chegam a realizar a compostagem de dez mil quilos de resíduos, por ano. "O lixo simplesmente desaparece", comenta o coordenador.

Segundo ele, a ação atinge mais de 30% do município. "Começamos com um simples projeto de extensão para orientar sobre compostagem. Com o surgimento crescente de parcerias, ele cresceu e chegou até aqui".

Assessoria de Comunicação da Udesc Lages - Jornalista Tatiane Rosa Machado da Silva