O ex-vereador - e atual Secretário de Desenvolvimento Econômico de Lages - Mário Hoeller de Souza  ("Marião") - pretende cassar o mandato do vereador Jair Júnior (PSD). 

Tudo porque este o citou no relatório final da CPI da Infelicidade, juntamente com outras sete pessoas. 

Ou seja, a pessoa que é citada como possivelmente tendo algum tipo de culpa no cartório no que tange ao episódio do sumiço e  venda de materiais de decoração natalina de Lages - quer se livrar da acusação tentando cassar quem foi o responsável pela citação. 

Vale lembrar que a tal CPI tem outros membros (e não apenas o vereador Jair Júnior). O Lucas Neves, do PP, por exemplo, teve relatório rejeitado por 3 votos contra 2. Essa CPI  ouviu vários depoimentos para chegar àquele relatório final. Portanto, o nome de Marião, assim também como o do tal Belezinha, Flavinho Agustini e de outros não devem estar lá à toa. 

Agora, vir com ameaças de cassação me parece tática de quem está desesperado e não aceita sequer se defender nas esferas cabíveis (no Judiciário). 

Com base em quê o Marião quer cassar o Jair Júnior? Erros contidos no tal relatório? Se o nome do Marião não estivesse lá, o relatório estaria certo? Será que Flavinho também não teria o mesmo direito de espernear? Mas até agora não se viu o Flavinho vir a público dizendo que quer cassar o vereador Jair Júnior. 

Jair Júnior só pode ser cassado pelos seus pares, na Câmara, se houver motivo justificado para isso. Falta de  decoro parlamentar, por exemplo, seria um desses motivos, envolver-se em corrupção, roubar, matar..... e por aí afora. Mas quem pode fazer isso - repito - é apenas o Legislativo. 

Loreno Siega - Revista Visão