EU QUERO, EU PRECISO, MAS EU SÓ ACEITO SE FOR DO MEU JEITO. CASO CONTRÁRIO, REJEITO E DESCARTO, JOGO FORA.

No contexto do evangelho do Bom Pastor, mais uma vez a MULTIDÃO dos Judeus corre atrás de Jesus para ouvi-lo e poder ser agraciado por algum SINAL (milagre) divino. Fica sempre mais evidente que não buscam um Messias, mas um "salvador da pátria", quer dizer, alguém que resolva, no lugar deles, seus problemas de ordem política, econômica, social e principalmente DE ORDEM PESSOAL.

É um povo interesseiro; sua fé é uma fé interesseira; sua aliança com Javé é uma aliança interesseira;  seu culto é um culto interesseiro.

É muito interessante analisar o comportamento humano, de certa maneira espelhado e representado no comportamento daquele povo judeu do tempo de Jesus.

Há séculos e séculos, seguramente perto de 2 mil anos, ESPERAVAM A REALIZAÇÃO DAS PROMESSAS DE DEUS A ABRAÃO E DEMAIS PATRIARCAS, DEPOIS MAIS TARDE PELA BOCA DE DAVI OU DOS PROFETAS, DE QUE O SENHOR DEUS LHES MANDARIA UM MESSIAS, UM UNGIDO, UM CRISTO SALVADOR E LIBERTADOR.

Deus, especialmente nas profecias de Isaías e Jeremias, até anunciou SINAIS que aconteceriam e características que seriam próprias AQUELE QUE SERIA O ENVIADO DO PAI ETERNO, DAQUELE QUE SERIA SEU FILHO.

Mesmo com tudo isso e com todas as EVIDÊNCIAS irrefutáveis, quando este FILHO DE DEUS veio, NÃO FOI ACEITO, mas rejeitado, excluído ameaçado de apedrejamentos, porque NÃO VEIO como eles queriam, como eles imaginavam que deveria ser. QUISERAM MANDAR RECADO A DEUS DE QUE AQUELE NÃO PODERIAM ACEITAR E QUE DEUS MUDASSE SEU JEITO E O JEITO DE SEU FILHO.

Precisavam de Deus e de um Messias Salvador, mas teria que ser de seu gosto, de seu jeito e que se submetesse aos seus mandos e caprichos.

No texto de João 10, 30 a 40 Jesus FALA COM TODAS AS LETRAS: "EU E O PAI SOMOS UM" e no verso 36-38 diz: "EU SOU O FILHO DE DEUS, A QUEM O PAI CONSAGROU E ENVIOU AO MUNDO".

No mesmo texto ainda diz que "SE  NÃO FAÇO AS OBRAS DO MEU PAI, NÃO ACREDITAIS EM MIM. MAS, SE EU AS FAÇO, MESMO QUE NÃO QUEIRAIS ACREDITAR EM MIM, ACREDITAI NAS MINHAS OBRAS, PARA QUE SAIBAIS E RECONHEÇAIS QUE O PAI ESTÁ EM MIM E EU NO PAI".

Agora, olhado para nós, para nossa Igreja, nossa Diocese, paróquia, para nosso bispo, padre, ministro ou ministra, para alguma liderança sindical, social ou de qualquer outra ordem, NÃO FAZEMOS NÓS MUITAS VEZES IGUALZINHO AOS JUDEUS DO TEMPO DE JESUS?

Eu aceito o bispo, padre, diácono, irmã religiosa, líder leigo religioso ou social civil, MAS SE FOR DO MEU JEITO. Todo aquele que for diferente aquele "modelo" que eu desejo e espero ou "fabriquei" na minha cabeça ou que foi "desenhado" pelo coletivo social EU ou NÓS REJEITAMOS.

Poucas vezes temos a capacidade de aceitar e acolher o vem FORA DE NOSSO IMAGINÁRIO E DE NOSSO ESQUEMA MENTAL FIXO, RIJO E IMUTÁVEL. É sempre o outro, a outra que tem que se adaptar aos nossos desejos e idealizações.

Para que eu não precise mudar, é melhor apedrejar que vem com ousadia propor que EU MUDE.

COMO TENHO E TEMOS NECESSIDADE DE CONVERSÃO PARA ACOLHER O DEUS SALVADOR QUE VEM POR JESUS A NÓS.

A hora da graça é AGORA.

* Dom Guilherme Antonio Werlang - Bispo Diocesano de Lages