O empreendedorismo será palavra comum no vocabulário de mais de 3 mil estudantes da rede municipal do ensino. Numa parceria entre o Serviço de apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina (Sebrae/SC) e Prefeitura de Lages, 12 escolas passarão a desenvolver oprograma Jovens Empreendedores Primeiros Passos (JEEP).  Neste mês de abril, professores serão capacitados a trabalhar com educação empreendedora nessas unidades escolares. As aulas devem iniciar em maio.

Em 2015, duas escolas receberam um piloto do JEPP. Uma delas foi a Manoel Thiago de Castro, no bairro Santa Clara. As lembranças e os ensinamentos estão frescos na memória dos alunos que participaram daquela etapa, e a notícia de que terão continuidade os deixou muito contentes.

“Aprendi que temos que ter muita responsabilidade em tudo que fizermos, especialmente em se tratando de um negócio”, diz Ketlen Ribeiro Nunes, de 12 anos. Ela, Jeferson Marini Oliveira, 13 anos, e Adilson Ribeiro, de 12, integravam o mesmo grupo de cerca de 20 alunos que por quatro meses foram responsáveis por uma locadora de brinquedos. A ideia do empreendimento surgiu deles mesmos. Essa era uma atividade prevista no projeto e acompanhada pelos professores.

Adilson conta que carrinhos, bonecas, pelúcias e livros eram locados na sexta-feira e devolvidos na segunda por valores que variavam entre 50 centavos e R$ 2. “Se atrasasse ou retornasse quebrado, tinha multa”. O menino lembra que todas as tarefas foram divididas e cada um tinha sua responsabilidade no processo. A parte que ele mais gostou foi a financeira.

A compreensão e importância de saber lidar com dinheiro foi levada para dentro de casa. Jeferson diz que passou a acompanhar a mãe nas compras do mercado. “Agora, a gente sabe quanto dinheiro tem, o que precisa comprar, quanto pode gastar e economizar”. 

Na turma do Cleber Machado o negócio foi mais saboroso. Eles produziam e vendiam doces. Sabiam exatamente quanto cobrar cada brigadeiro para ter um bom lucro. “No final, tínhamos uns R$ 400. Fizemos uma festa de encerramento e com muito doce”, recorda.

Trabalho conjunto

E é desta forma colaborativa que se pretende trabalhar a educação empreendedora nas escolas. O coordenador do JEPP na Secretaria de Educação, professor Cristian Roberto Oliveira, destaca que a proposta é ter um projeto interdisciplinar. “Quando trabalhamos em conjunto, o resultado é outro, muito mais proveitoso”.

Mais de 100 professores serão capacitados pelo Sebrae para nortear as atividades nas escolas. “A ideia é que a educação atue como transformadora e incentive à quebra de paradigmas e o desenvolvimento das habilidades e comportamentos empreendedores”, destaca o coordenador regional do Sebrae, Altenir Agostini.

Mudanças no comportamento

Na casa do administrador Amauri Bacci o comportamento das filhas Lara Gabriela Bacci, de 12 anos, e Rafaella Bacci, com 7, mudou bastante depois de participarem do JEEP. “Percebi nitidamente o desenvolvimento empreendedor aflorar nas brincadeiras que faziam”, conta. A mais velha participou do programa por quatro anos na escola do Sesc, em Lages.

Com as atividades desenvolvidas durante o curso ela teve mais interesse por notícias de negócios, por exemplo. Em casa ensinava a menor como montar uma loja. E elas colocavam em tudo em prática. Agora, quem está cursando o JEPP é a Rafaella.

“Os participantes levam para casa vários aprendizados como honestidade, organização, determinação, e o mais fundamental é ser um cidadão”, destaca Amauri.

Texto e fotos: Catarinas Comunicação