A  deputada federal Carmen Zanotto (PPS/SC), juntamente com ao demais membros do Fórum Parlamentar Catarinense, participou nesta segunda-feira (4) de uma reunião na Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC) com a participação de representantes de federações empresariais que integram o Conselho das Federações Empresariais de Santa Catarina (COFEM), representantes da FECAM e secretários de Estado que atuaram no comitê de crise do governo catarinense.

No encontro, o 1º vice-presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, apresentou pesquisa feita pela entidade que mostra que a paralisação dos caminhoneiros afetou intensamente 70% das indústrias consultadas. Conforme o levantamento, realizado com 905 empresas, quase metade delas estimam prejuízos de pelo menos 20% do faturamento mensal. “A greve trouxe sérios danos à economia e à sociedade. Em conjunto precisamos encontrar mecanismos para minimizar os impactos”, declarou.

Para Carmen Zanotto é preciso formalizar as demandas. Entre elas, linhas de crédito e parcelamento de tributos. “Nós temos que ficar atentos para que não sejam criados novos impostos para cobrir as novas despesas do governo. Além disso, a reforma tributária precisa acontecer. Tem que ir para a pauta da Câmara", salientou a parlamentar.

Durante a reunião ficou definido que o COFEM vai elaborar uma proposta com sugestões e encaminhar ao Fórum. Entre elas devem constar proposições relativas à facilitação de acesso ao crédito e postergação de recolhimento de tributos.

O COFEM é integrado pelas federações empresariais da indústria (FIESC), comércio (FECOMÉRCIO), Agricultura (FAESC), Transportes (Fetrancesc), das Associações Empresariais (FACISC), das CDLs (FCDL) e das micro e pequenas empresas (Fampesc).

Com informações da Fiesc. - Fotos: Filipe Scotti/Fiesc